Era uma vez uma futura maratonista com um sonho muito distante de completar os 42.195 km. Tudo começou em 2008 com uma vontade de mudar de vida e transformar lazer em benefício estético e psicológico. As pequenas corridas foram completadas e os objetivos sempre aumentando. Em julho de 2010 tudo mudou, virei maratonista e comecei a sonhar com as ultras distâncias. Em julho de 2012 virei oficialmente Ultra e agora planejo futuras distâncias que me desafiem cada vez mais. Me descobri desesperadoramente apaixonada por km's.

Agora tenho o ano de 2013 inteiro para fazer o que for preciso para quem sabe ser aceita na BR 135 Solo em 2014. Trabalha e Confia!


Carrego no peito as medalhas e na memória os melhores momentos da minha vida.

Próximos desafios:

03 de Novembro de 2013 - Maratona

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Corrida da Ponte - 17/04 - Meia Maratona

Finalmente consegui escrever sobre minha experiência na meia da Ponte.
A viagem para o Rio foi curta, mas muito boa. Papai foi comigo, até porque marido não me deixa ir sozinha :)- ainda bem que tenho um pai corredor.
Tudo estava tranquilo e todos com expectativas de recordes pessoais. Eu não pensei muito nessa história de recorde não, na verdade na verdade só queria fazer os 21 previstos na planilha da semana, fazer parte dos poucos que atravessaram a Rio Niterói como Pedestre e aproveitar a paisagem.
Bem, nosso grupo encheu 3 taxis e fomos para a largada em Niterói. Todos tranquilos até a largada. Sai tranquila, sem música, só ouvindo a bateção de pés. A pista em Niterói tinha uns desníveis mas nada para forçar.
Inicio de prova e eu tentava manter um pace de 6:15 e 6:30 até a subida da ponte, onde por um momento de loucura e enpolgação me aproximava num pace de 6:00 nos 2 km de subida. Adoro correr no Rio, a galera sempre muito animada.
Quando terminei de subir o tão temido vão, a prova ainda estava nos 6 Kms e eu ainda estava inteira. Fiz uns calculos e previ terminar a prova no meu melhor tempo de meia até hoje. Desci o vão relaxando e feliz da vida.
Mas felicidade de corredor que acha que é casca grossa dura pouco! Quando terminei de descer vi uma barriga na ponte e subi de novo, ai descia, via outra barriga e subia de novo, descia, via outra barriga e subia de novo... Me desorientei, subia rápido, descia devagar, subia rápido, descia devagar. Queria ir ao banheiro, sem banheiro... Refiz meus cálculos, pensei, em 13 km acaba essa ponte, e vou correr nas avenidas cariocas com sombra e água fresca.
Doce ilusão... quando virei no km 13 o elevado resolveu aparecer e o sobe desce continuou, e o desespero aumentou. Estava muito quente, mas eu não sentia calor... Não tinha vento, não tinha sombra, não tinha banheiro, não tinha água gelada, mas de nada disso eu sentia falta... Eu só tentava avistar UMA COISA, a descida daquela porqueira. Nem se eu quisesse pular daria, a última coisa que queria era bater a cabeça no concreto (a corrida tem concreto demais e paisagem de menos). Mas bem que vi umas pessoas caidas raladas no chão esperando uma ambulância... até pensei em fazer o mesmo, mas esse pensamento passou rápido.
No km 13 um menino também encostou em mim e disse, estava te seguindo, você estava num ritmo bom, vamos manter. Putz, foi minha salvação porque tinha desacelerado bem.
Resumo da opera, passei o jogador Tande no final (que sofreu e levou 2h40 para terminar) e ainda dei um sprint nos 700 m finais. A ponte mesmo, só acabou depois do km 20. A prova teve um total de 21,5 km que terminei em 2h23.

Ainda sobrou folêgo para voltar 2 km's a pé até o hotel para não sujar nenhum taxi (corredor consciente).
Agora meu bem, é partir para os km's finais rumo a Porto Alegre.

"Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu."

E se eu volto a fazer essa prova novamente? a princípio não, mas nunca digo nunca, principalmente depois de ler o relato Baleias da corrida.

O mar passou longe, e bem baixo



Os amigos Mineiros Baleias sempre presentes - largada



Eu e papai na chegada - muito engraçado quando eu cheguei ele me abraçou e gritou... Ele nem estava confiante na minha chegada viva rs, preocupação carinhosa de pai



Essa quantidade de protetor solar fator 100 que estou usando anda ajudando, nunca estive tão branquela. E essa cara boa da galera é porque ainda era muito cedo para avaliar.

18 comentários:

GILMAR FARIAS disse...

Katryny,
Parabéns! Mesmo com tantas dificuldades você terminou a prova na raça. Boa sorte na Maratona em maio.
Gilmar
http://fotocorridagilmar.blogspot.com

Ingrid disse...

Katryny,
Parabéns!
Foi uma corrida de muitos capítulos, e fizestes a tua parte.
Mas aqui no sul é mais fresquinhoooo!!
Que venha a de Porto então!
Bjo ..
Ingrid

Sergio disse...

Katryny,
parabéns! pela dificuldade da prova, acho que você chegou bem! Bons treinos para Porto Aleger.
bjs
Sergio
corredorfeliz.blogspot.com

Joka disse...

Parabéns guerreira !!!! Show

Marilia disse...

Ka, vc está com tudo hein!!
Parabéns por mais essa conquista! Lendo seus posts, começa a dar até uma pontinha de vontade de correr! rsrsrs
Keep running!! ;D
Beijão!!

BALEIAS disse...

Katryny, mais uma alegria tremenda! A prova foi difícil, mas quem te conhece sabe que você é muito mais e que a natureza: sol, calor, vento, não são reais dificuldades para uma ultra. No preparo para a Comrades 2012, quando espero estaremos juntos com sua turma de Vitória, acabei de ler a biografia de Nelson Mandela, "Um longo caminho para a liberdade". A quantidade de kms é irrelevante, estou preparando primeiro a cabeça. Abraço e até Porto Alegre. Ah! Pai corredor é um sonho e marido tem que ser também porque não há estabilidade para esse cargo no mundo das corridas. De ultramaratonista, então.... Tem que ralar muito e ser muito gente boa!

Katryny disse...

Valeu Gilmar!
Grande abraço

Katryny disse...

Que bom Ingrid... Estou precisando de dias fresquinhos mesmo ;)
Até POA!
Beijos

Katryny disse...

Obrigada Sérgio!!!
Em breve serão as suas meias maratonas né? :)
Beijo

Katryny disse...

Valeu Joka!
bjos

Katryny disse...

Máaa, saudades de você!!!
Aparece...
beijos

Katryny disse...

hahaha
você é uma comédia Miguel!!! Preciso de um marido corredor, mas como marido bom dá muito trabalho o jeito é dar um jeito no meu mesmo e pedir para ele acordar rs. Pelo menos ele se inscreveu para os 10 Km de POA :)
Grande abraço e até lá

Dani disse...

Oi Katryny,

Parabéns pela prova frente a tantas adversidades.

Bjos,
Dani
correndoemagrecendo.blogspot.com

Luciana disse...

Oi Katryny!!! Adorei relato, vc é muito divertida!!!!! Sempre tentando levar tudo com bom humor, muito bom isso!!!

Pai corredor é tudo, que legal? E sua mãe, pq não foi?

Bjs
Lu

Katryny disse...

Valeu Dani!!!
Bjos

Katryny disse...

Ei Lú, minha mãe ainda não participou de nenhuma meia maratona, e era critério para participar desta prova ter completado uma meia maratona abaixo de 2h45 nos últimos 2 anos.
Mas em Porto Alegre ela vai :)
Vamos para POA??
beijos

Jorge disse...

---------\\\\|/---------
--------(@@)-------
-ooO--(_)--Ooo-
Veio competir no Rio e nem falou né...kkk...Ué não entendi vcs saíram atrasados do hotel, pois vc disse que pegou táxi para ir para a largada, pq não pegou a barca que tinha direito? Eu não senti o váo central e nem o calor que falaram que fez, mas mesmo assim fico feliz em saber que conseguiu terminar esta corrida, parabéns e boa preparação para a Maratona de POA. E aí qual seu projeto, quando vai correr sua primeira Ultra?

Bom final de semana.

Jorge Ultramaratonista
www.jmaratona.com

Katryny disse...

Dei mole né Jorge? deveria ter avisado... foi tão corrido também, não passei nem 12 horas no Rio, só deu pra dormir e fazer a corrida. da próxima aviso com certeza.
E o projeto da ultra, estou vendo se termino pelo mais umas duas maratonas viva, aí sim com 3 no histórico acho que estarei preparada para a pauleira de treinos :)
Grande abraço e bons treinos

Postar um comentário