Era uma vez uma futura maratonista com um sonho muito distante de completar os 42.195 km. Tudo começou em 2008 com uma vontade de mudar de vida e transformar lazer em benefício estético e psicológico. As pequenas corridas foram completadas e os objetivos sempre aumentando. Em julho de 2010 tudo mudou, virei maratonista e comecei a sonhar com as ultras distâncias. Em julho de 2012 virei oficialmente Ultra e agora planejo futuras distâncias que me desafiem cada vez mais. Me descobri desesperadoramente apaixonada por km's.

Agora tenho o ano de 2013 inteiro para fazer o que for preciso para quem sabe ser aceita na BR 135 Solo em 2014. Trabalha e Confia!


Carrego no peito as medalhas e na memória os melhores momentos da minha vida.

Próximos desafios:

03 de Novembro de 2013 - Maratona

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Transbordando Solidariedade!

Poucas pessoas se levantam para uma ação solidária sem imposição e sim porque possui um coração voltado ao setor. Acho interessante observar a parte da população disposta a se dedicar por uma boa causa e perceber o quão gratas elas são por transformar suas ações em favor de quem precisa, é lindo! Bem se diz que é melhor dar do que receber, e só quem experimenta pode ver o grande valor da citação.

Neste final de semana tive o privilégio de participar o segundo Desafio Solidário proposto pelo ultramaratonista Carlos Gusmão. Ele passou 24 horas correndo nos dois principais morros de Vila Velha para arrecadar brinquedos para as crianças com deficiência neurológica do CREFES. Sabe o que acontece quando um guerreiro com credibilidade movimenta a massa corredora? Sucesso! Foram arrecadados 850 brinquedos em pouco tempo. Ta aí, quem quer faz a diferença.

Desafio


Eu de enxerida no meio desses Ultraguerreiros que passaram 24hs de plantão correndo e apoiando o evento


P.s: Devido a alguns compromissos sérios, pude fazer apenas as 9hs finais do treino de meia-noite as nove da manhã. Consegui fazer 52 Km subindo aquelas montanhazinhas durante 7h30. Bom, só sei que doeu, mas na segunda estava bem novamente, acho que estou começando a criar casca. Fica como treino para a BR!

Pensando bem, acabei de perceber que foi o primeiro treino de 52 KM da minha vida e acabei de falar como se tivesse corrido 32 KM... por isso que doeu, por isso que amo advil, por isso dormi por dia e noite seguidos, e por isso que amo essa tal da progressão de condicionamento. Tá louco! Comemorei pouco, bem me lembrei que devo comemorar mais.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

We are in - BR 135 Revezamento de dupla

Por acaso um tempo atrás uma amiga entrou em contato me convidando para fazer revezamento da BR 135, meu sonho! São 217 km de pura aventura em barrancos e estradas de chão.

Estava distante e não poderia preencher todo o formulário necessário para a pré-seleção. É uma prova com um valor alto e que mesmo assim não entra quem quer, precisa ser aceita pelos mestres.
Ela disse que era a hora, preencheu tudo pra mim durante horas, e umas semanas depois veio o grande resultado. Finalmente eu tinha passado em alguma seleção na vida, we are in!!! Prova raçuda que promete.

Não estava muito animada já que muita coisa aconteceu, ela se machucou, algumas pessoas desestimulantes, e etc e tal. Mas pensei melhor e resolvi voltar a pensar no assunto já que um crédito de confiança nos foi dado. Afinal gosto de montar quebra-cabeças, um desafio destes não te exige apenas pernas e sim mente sadia para aviliar todas as questões e saber trabalhar com o forte de cada uma e com as adversidades que surgem antes e durante a prova, temos 48hs para terminar tudo dividindo os trechos em partes iguais. Agora é saber lidar com tudo o que está acontecendo montar equipes e ir!!!

Se chegamos até aqui, vamos até lá! Vamos para guerra, dar o sangue e honrar a nossa porta de entrada junto a bons ultramaratonistas do Brasil. BR 135 Solo, seus 217 km ainda serão só meus, em 2013 vou me concentrar com a metade.

www.brazil135.com.br

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Maratona Cross Contry Buzios - 10.11.2012

Posso afirmar que a Maratona de Buzios dividiu a minha história com a corrida cross em Katryny AB e Katryny DB, depois de Buzios ganhei uma nova visão relacionada ao meu desempenho nesse tipo de terreno.

Passei semanas antes da prova muito preocupada sem saber que estratégia adotar, seguindo planilha sem parar para pensar. O que me travava era a escolha entre fazer essa maratona com duas grandes amigas que estreariam em Maratonas justo nesse tipo de terreno, ou ir em busca de um desafio pessoal. Confesso que essa decisão me deixou mal por algumas semanas, em momento algum elas me pediram tanto, fiz o que pude durante o treinamento delas, mas a situação me incomodava sem ao menos elas saberem. No desafio pessoal estava em jogo minha CONFIANÇA, que andava muito em baixa para morros, as três únicas maratonas de montanha que tinha concluido foram acima de 7hs, claro, chegaram a passar de 2.000 metros de altitude... Mas me incomodava o fato de insistir e achava que estava dando murro em ponta de faca insistindo em algo que não tinha a menor habilidade já que chegava sempre entre os últimos.

Na semana da prova ainda não havia decidido e nem me comprometido (como é dificil para mim não me comprometer, adoro compromissos, mesmo os de grande risco). Foi aí que bati um papo com o Grande Virginio (Rei da Montanha) que me aconselhou a atacar. E assim comecei a mentalizar o ataque rs. Pensei que, já que nunca havia deixado de terminar se quer uma prova, quem sabe essa não será a primeira, vou fazer o possível para me aproximar das seis horas de prova, vou pra guerra, mas pra tentar vencer a batalha e se perder, bola pra frente. O que eu podia ter feito pelas meninas eu fiz, agora era colocar em prática o que aprendemos, foco no portal de chegada.

Dia chuvoso, vendaval, tênis escorregadio, arcada dentária bamba e etc... eram essas as condições na largada... coisas que tentaram me desanimar mas não conseguiram. Era uma chance que poderia me fazer desistir de ser corredora cross. Na largada minha mãe me abraçou e fez uma oração poderosa, e foi assim, fui com Deus! Toda a minha familia muitos amigos presentes, poderiam me tirar do ritmo, mas foco mais uma vez.

Subi, desci, subi, desci, ataquei os morros quando dava e quando não dava subia caminhando (ainda tinha um pouco de juízo), quando chegava na areia imprimia ritmo de 5:40 (treinei bastante na areia), passei na metade do percurso com 2:35, ia aproveitar para dar uma parada e trocar o tênis mas estava tão bem que resolvi continuar. A partir daqui meu irmão que estava fazendo revezamento com meu primo continuou comigo. Ele foi no meu ritmo com aquelas pernas longas dele. Passando ali com 2:35 comecei a vizualizar terminar a prova com 5h40 sem saber que a pior parte ainda estava por vir. Morro de matar, muitos km's de areia com vendaval e chuva e o pior pedras e pedras perigosas que não acabavam nunca, mais de 3 km sem correr. Aqui meu irmão deu cãimbra e pediu para não abandona-lo que ele queria chegar comigo. Pronto! Me ferrei pensei eu rs... paramos, dei uma mariola pra ele dizendo que era o melhor remédio para o problema rs, funcionou durante uns 2 km's. Fomos aos trancos e barrancos, já que eu tinha que puxa-lo até o final e aí quando eu cruzei a linha de chegada, sabe o que eu fiz, DESABEI!!! Chorei horrores, terminei com 5h23, tempo próximo ao da primeira maratona e cheguei inteira, sem sofrer! Fez cada metro dos 42 km valer ouro, minha Confiança subiu e voltei a acreditar que era capaz. E amigas? Chegaram com 5h40 e poucos e com 5h50 e poucos. Orgulho de mais! Arrebentaram!

Sabe, o que não faltam são pessoas para te desacreditar, competir com você instintivamente, colocar pedras pra você tropeçar... Mas na verdade o que importa mesmo é se agarrar ao que você acredita e dar créditos a quem torce pela suas conquistas de coração e não da boca para fora ou por um interesse qualquer. O que se faz com essas, é tratar bem, porque é fato que Deus transfoma qualquer maldição lançada sobre você em benção sobre a sua vida.

Rio de Janeiro, mais o mais vez declaro meu amor por você, faz a minha história nas corridas e me proporciona imagens delirantes e momentos de perder o folêgo!

Chegada com meu irmão e meu primo.


Na boa, depois que comecei a correr virei uma chorona!


Essas são Osso Duro de roer!!! Escolheram estreiar na maratona em estilo Cross, e foram lá e fizeram com raça! Arrebentaram!


Galerão de Vitória!



SE É PRA SER, QUE SEJA ASSIM! INTENSO!


"Não é o crítico que importa, nem aquele que mostra como o homem forte tropeça, ou onde o realizador das proezas poderia ter feito melhor. Todo o crédito pertence ao homem que está de fato na arena; cuja face está arruinada pela poeira e pelo suor e pelo sangue; aquele que luta com valentia; aquele que erra e tenta de novo e de novo; aquele que conhece o grande entusiasmo, a grande devoção e se consome em uma causa justa; aquele que ao menos conhece, ao fim, o triunfo de sua realização, e aquele que na pior das hipóteses, se falhar, ao menos falhará agindo excepcionalmente, de modo que seu lugar não seja nunca junto àquelas almas frias e tímidas que não conhecem nem vitória nem derrota."
T. Roosevelt

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

O Desafio é a Nossa Energia

Demorei para acreditar que desafios na minha pessoal e profissional são o combustível ideal para me conduzir a lugares que sinto prazer em chegar. Estou sempre me desafiando, aprender a lidar com essa pressão que faço sobre mim também é um desafio interessante.

Com um pouco de coragem fica tudo mais fácil, inclusive largar o emprego para correr atrás de um projeto pessoal e complicado, mas não impossível, já que aprendi com as ultras que nada é impossível com foco, dedicação e muito trabalho. Se der certo deu, se não der certo, volto e recomeço onde parei. Afinal, começar do zero nunca foi um grande problema até aqui.

E aproveitando essa fase de desafios, o nome do Blog mais uma vez ficou para trás, mas chega de mudar de endereço e vamos aproveitar para colocar um objetivo distante naquela velha história, DREAM BIG! FUTURA ULTRA será para sempre, o que muda sempre será a prova, agora meu sonho é a BR 135 SOLO, e espero desabafar aqui o que tenho que fazer para ser aceita e terminar a prova com sucesso. FUTURA ULTRA: BR 135 SOLO

THIS IS YOUR LIFE
FIND A PASSION
AND PURSUE IT.


Músicas que me fazem Correr


Dentro daquele meu jeito maluco musical de construir meu playlist e já não aguentando as mesmas de sempre para longões... decidido está, musicas em español, já que estou num momento intensivão com 2h por dia até novembro.

Por enquanto vamos do velho, bom e popular Maná e Alejandro Sanz. Será que isso vai dar certo? rs.


quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Kainach Bergmarathon - 44 Km - Austria - 12/08/12

Sinceramente, achei que não conseguiria voltar a escrever após tanto tempo. Mas me neguei a escrever obrigada já que faço isso por prazer. Após um longo periodo sem colocar meus olhinhos por aqui estava na hora de voltar, afinal, muita coisa boa aconteceu, e não é só um post que vai resumir tudo. Inicio logo então.

Uma delas foi essa aventura pelos Alpes Austriacos que por sorte escrevi num caderninho para não esquecer e deixar passar em branco. Antes de começar vou te fazer uma pergunta. Alguma vez você já fez algo no modo hard, super radical e com muita emoção?
Assim foi essa ultra de montanha que superou todas as minhas expectativas, uma surpresa atrás da outra.

Com uma altimetria que de 500m pularia para 1.800m em poucos km's, fazia com que meu coração batesse no ouvido (nos dois) em pouquissimo tempo de prova. Percebi que era estranho, incomum, e assutador... mas continuei, mesmo já pensando em desistir já que a prova nem tinha começado. Comecei a focar na descida e espera-la ansiosamente após o km 14, já que barranco era a minha única visão até aquele momento (ui).
Quando ele finalmente começou a despontar imaginei que a partir daquele momento começaria a correr e adiantaria a prova, me enganei (como sempre)... fui supreendida com pedras gigantes no caminho (só me lembrava daquilo: pedras no caminho? guardo todas, um dia vou construir um castelo). Com Pedras era impossível a evolução, não dava para correr. Cai de bunda duas vezes em menos de 1 km. Na última vez fiquei um tempão sentada olhando para o abismo com arame farpado ao meu lado... aquilo me parecia muito perigoso, comecei a refletir se era prudente continuar já que sou muito desajeitada, cairia outras vezes, estava correndo risco de vida e o pior, ficaria com o rosto todo deformado no meu caixãozinho depois de ultrapassar todo aquele arame e cair no abismo. Se tinha alguem do meu lado para socorrer?? claro que não, ninguém faz essas provas, no máximo 100 pessoas espalhadas em 45 km, nesse momento me lembro de só ter visto uma senhora de uns 90 anos atrás de mim rs. Aqui pela primeira vez em 31 anos pensei, Game Over pra mim. Vamos voltar viva né?

Comecei a imaginar onde estaria o próximo posto de hidratação para pedir "penico", arrego, qualquer coisa similar. Mas assim que cheguei no danado do posto um rapaz nem esperou eu abrir a boca e me disse - Continue, você vai ficar muito orgulhosa de você. - Pronto, era tudo que eu precisava, ficar orgulhosa de mim. Vamos chegar e que seja por último, afinal só os últimos e os primeiros serão lembrados rs.

Para elevar o nível da prova as vacas se tornaram parte do caminho, eram lindas, super bem cuidadas, até tinha um sininho no pescoço (desenho animado). Elas só tinham um defeito, gostavam de encarar e ficavam ocupando o estreito espaço para passar, algo como abismo, mato, vaca... escolha seu espaço para passar e siga em frente. Teve uma hora que tinha tantas, mas tantas que pensei em tirar uma foto, mas fiquei com medo de ficar parada muito tempo e algo acontecer, achei melhor sobreviver para contar.

Cercas?? se eu juntar meus anos passados e futuros não consigo pular a quantidade de cercas que pulei nesse dia, algo sobrenatural. Numa das últimas tive uma crise de riso, estava louca e inacreditavelmente cansada.

Assim fui, longas sete horas e muitos minutos, ante penúltima a chegar e muita, mas muita história para contar. Fiz um amigo no inicio da prova que voltou para me buscar no final, ter alguem que se preocupa com você não tem preço (mesmo que seja um amigo passageiro). Nem liguei quando percebi que como algumas provas na Europa e nos EUA eles não fornecem medalha, só para os primeiros lugares, como o rapaz disse lá atrás, agora estava orgulhosa de mim, tive mil e um motivos para desistir e não foi desta vez.

Mas como tudo ainda pode melhorar, tive um surpresa final, um troféu de primeira na categoria (só tinha eu rs). E pelo menos cheguei em oitavo das nove corajosas que terminaram a prova. Ganhei também um livro gigante da cidade onde fui muito bem tratada graças a cortesia do organizador Bernd Gratz.

Um Show de Aventura!
Inesquecível!

12 de agosto de 2012

quinta-feira, 19 de julho de 2012

V Ultramaratona Rio 24 hs Fuzileiros Navais

Esperando estava melhorar para relatar, mas vi que pelo andar da carruagem devo demorar mais um pouco rs, então vamos lá!

Oficialmente Ultra com 134,8 Km em 24hs!!!
Tinha colocado na cabeça que queria ser Ultra com mais de 100 km, e aí está a resposta, mas vou te dizer que tive que dar o sangue para isso.

Fui para esta prova com apenas 1 treino de 1 hora numa pista de 400 metros, e me senti bem, conversei o tempo inteiro então passou rápido. Alem de não ter sentido dor alguma. Mas na realidade tudo muda quando o treino vira uma prova com um objetivo certo, sei que corria o risco de mais uma vez me frustar como aconteceu com o meu resultado em Urubici, tinha treinado para Urubici e me dei mal, essa eu não treinei, mas era questão de honra eu ficar feliz com o meu resultado. O que eu tinha para esta corrida era o que eu tinha feito Urubici, depois só descansei e esperei o grande dia.

Tinha um plano A, um plano B e um plano A+. Mas com 1 hora de prova já estava quase desistindo do A+ (150 km rs), e com 4 horas já havia jogado ele no lixo, já estava achando o plano A de 130 km excelente porque desde a primeira hora senti muito a virilha rodando que nem pião naquela pista. Descobri em pouco tempo que virar o sentido da prova é super necessário, porque até o tornozelo reclama. Aliás por falar em virar o sentindo, para mim esse era o ponto alto da corrida, adorava a festa do vira-vira, a contagem regressiva, o sino, essas coisas rs. Perdi 2 porque estava alongando e fiquei arrasada.

Consegui cumprir a meta inicial que era correr uma maratona 0 caminhada e parar para alongar. Depois corri uma meia dando 10 voltas correndo e 3 caminhando e parando para alongar, e assim foi até o final, ficava cerca de 2:30 na pista e parava 20 minutos. Ao todo não cheguei a ficar 4 horas parada, porque até para comer, eu comia girando e caminhando.

Quando terminei a maratona percebi que estava bem atrás de colocação, mas pensei comigo, sei que é dificil mas vou buscar ficar entre as 10 primeiras mulheres, isso me ajudou a focar e me manter ligada para não perder o rumo. Como corria na pista 2 acabei claro correndo muito mais do que quem estava no centro da pista. Meu Garmin marcou 148 km, UHU, quase 150 Km, por isso fiquei tão feliz, mesmo não tendo esse número oficial, sei até onde fui.

Nem tudo são flores é claro, quando bati 118 Km faltava 12 ainda para o plano A ser de sucesso e 2h20 para acabar, mas minha panturrilha pela primeira vez na vida travou. Sem saber o que fazer, parei no risco para alongar porque não dava para me arrastar mais. Ganhei um alongamento e uma massagem do Grande Fisiot. Paulo Gusmão que durou quase 30 minutos e voltei, dei uma volta caminhando, refiz as contas e vi que ainda sim não daria tempo. E quer saber?? parti para tudo ou nada! A dor é passageira, e dolorida por dolorida eu já estava, eu fui que fui dando voltas e voltas correndo as vezes chegando a um pace de 5:20, nem eu acreditava... Já estavam todos mortos e finalmente a pista do centro era quase TODA MINHA, me vinguei das voltas a mais que dei na pista 2, e se catasse alguém no meu caminho eu passava por cima (hehehe brincadeirinha), era o meu desafio mais que pessoal que estava em jogo e meu tempo só esgotava. Dei 25 voltas no pique, parei, caminhei e voltei correr mais leve. terminei correndo porque queria caminhar o minimo possível, só quando a dor batesse, e ela bateu durante quase a prova inteira rs.

Resumão é que fiz mais 16 Km no final para minha alegria e terminei a prova chorando em bicas de emoção (dever cumprido) e com dores SURREAIS, na certeza que tinha dado o meu melhor. Estou aqui acabada de gripe mas very happy carregando meu trófeu de Primeiro Lugar na categoria para lá e para cá. E o décimo segundo na Feminina e 62 na Geral me renderam muitas alegrias, só tinha fera ali.

Só tenho a agradecer aos malucos e aos pé-no-chão que me ajudaram e me incentivaram a realizar tudo tão rápido e inesquecível, por mim ainda estaria lá rodando rs. Familia, Amigos e Treinadores, vocês são SENSACIONAIS!!!
Blogueiros queridos, eu ouvi a mensagem de vocês e isso foi Sensacional!!! S2

Essa prova ainda rende muitos e muitos posts :)

Fotinho da Largada, uma verdinha perdida no meio do Feras!


Última parada antes do grande feito das duas horas finais. Quer saber se dói não né?


Acabou?? Então me deixa chorar!!! rsrs


A idéia foi dele rs, Grande Fera com 193 Km, Melhores do Brasil!!!


Os Fuzileiros meus amigos, me ajudaram até no final... Alguém me ajuda a carregar??

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Desafrio Urubici 2012 - Uma Super Maratona

Sabe aquela prova que coloca em xeque toda a sua capacidade de resistência, poder da mente e a condição motora? Foi essa!

Está sendo assim desde o dia que comecei a correr provas de montanhas. Estava acostumada a fazer previsões para uma prova de rua e conseguir cumprir com folga. Já com essas provas cascudas quanto mais tempo eu acho que vou levar para concluir posso ficar bem tranquila que vou gastar um tanto a mais. Para uma controladora como eu isso é quase um desespero, essas colinas tem me tratado mais que terapia (acredito eu).

Tenho sempre em mente que todo mundo pode tudo é só querer, basta comprometimento e foco que acontece. Fiz tudo direitinho, não matei nenhum treino, me concentrei, etc etc e não teve jeito, ainda assim fui pega de surpresa e aprendi que numa prova dessas humildade aparecem em primeiro lugar, ouvi isso durante a prova e comecei a refletir mais forte em todos os sentidos, se você não é, vai aprender sofrendo.

Não tenho como descrever tudo que aconteceu durante esses 54 km e essas longas 7h48, mas nem preciso dizer que sofri não é mesmo? Posso resumir dizendo que a prova começou com uma friaca de 5 graus e uma névoa que prometia muito, mas em pouco tempo o sol entrou para a minha alegria e me deu a sensação térmica de 20 graus apesar de não ter chegado lá.
A chuva da semana deixou o percurso uma lama só, mais paracia um mangue com algumas partes em areia movediça, você afundava o pé com chance de voltar sem tênis (aconteceu com alguns). Isso me fez ter a certeza de que quem manda em provas deste tipo são os fenômenos da natureza ou até em alguns casos para ser um pouco mais dramática os desastres naturais. Isso é claro porque as condições de pista são definidas ali, e para alguém desequilibrado como eu, qualquer lama é motivo de queda. Perdi muito tempo no inicio escorregando e desabando na parte da escalada. Estava super protegida com duas blusas e calça então só ganhei um arranhão de leve no rosto e uma roupa enlamaçada.

Em termos gerais a subida é para deixar qualquer um sem fôlego, mas não deixei de correr em nenhum plano e até arrisquei algumas corridinhas ladeira acima já que perdi muito tempo com o pé na lama. Quando você termina a subida, você ganha um renovo, o cansaço desaparece por alguns instantes e você só pensa em recomeçar.
E para descer meu bem, não existe aquela história que todo Santo ajuda, só você se ajuda, você, você, você.
Fui que fui toda cheia de esperança de uma boa descida para recuperar o tempo, mas posso dizer que aquela descida mais subia que descia, e ainda me passa um engraçadinho e me pergunta ironicamente - está gostando da descida? enquanto estava me matando para subir. Só soltei de resposta um olhar fulminante e perdoei porque ele estava bem atrás de mim.
Até 42 Km fui tranquila (na medida do possível) depois disso me disse - Uma maratona, pronto, se terminasse aqui estaria ótimo. Mas foi bem aí que meu psicólogico atingiu e me arrastei até o interminável final. Contei com um parceiro, o Kleber que se arrastava junto comigo. Os últimos 3 km ainda consegui correr porque queria chegar mais do que queria desistir, apesar das duas vontades terem andado lado a lado no final. Assim foi, assim eu fui, assim eu terminei! Ainda bem que viva para contar história.

Entre erros e acertos volto mais experiente, e a cada minuto que passa tenho a certeza que foi um bom negócio. Os erros serão acertos na próxima, apesar de terem sido amadores como comer muito pé de moleque, tomar cápsula de sal no final e não carregar a mochila de hidratação na descida mesmo sabendo que o organizador da prova dá muito pouco alimento durante o percurso.

Volto com os pés no chão sabendo que se quero continuar nessa vida de meio do mato preciso me preparar ainda mais, porque o povo é sinistro, se preparam para não sofrer tanto. Preciso investir um pouco mais de tempo entre árvores e abismos. Tenho um sonho bem alto, e essa prova quase me fez desistir dele, mas ainda não é o momento para desistir.

Volto feliz porque oficialmente sou uma super maratonista e porque ganhei um trófeu de terceiro lugar na categoria, só tinha 5 pessoas, duas desistiram rs. Só que vou te falar, mesmo sendo a última a chegar na categoria, carrego com gosto, foi duro chegar até ali, aprendi muito e isso já vale toda gota de suor congelada pelo frio.

P.s:
Agradecimentos especiais a Marayse e Felipe Souto. Meu Deus, não tenho nem como agradecer todo apoio e estrutura. Passei momentos super agradáveis e especiais. Estou agora num débito gigante com eles, e vou cumprir feliz. Valeu Hoffman pela organização do encontro.

Aos meus amigos blogueiros, um obrigada mais que especial. Muitas dicas, força e pensamento positivo. Com certeza me ajudaram a chegar até o fim de mais essa conquista.

Meu marido foi um caso a parte, conto num outro momento. Mas também ganha agradecimentos apesar de tudo rs.

Antes de largar



Sobe, Sobe, Sobe!




No topo do mundo! Hora de voltar.



Chegando! Sonhei com isso durante quase 8 horas



Muita lama e medalha.



Já limpinha com o meu troféu.





quinta-feira, 21 de junho de 2012

Tudo Novo de Novo

Engraçado como em cada prova as coisas mudam de forma assustadora. Achei que com o tempo e a experiência as coisas fossem ficando mais fáceis, a tensão sumiria etc etc. Me enganei, e pelo visto vou continuar me enganado, estou achando que faz parte da minha natureza.

Demoro para assumir o problema, mas chega uma hora que não dá mais, o corpo fala o que a minha mente tenta negar. Alias meu corpo não está falando, está gritando, comecei a semana com os joelhos em estado deplorável, estou com os braços dormentes e meu cabelo anda mais no chão que cabeça (credo!). Fazer 52 km me assusta sim, nunca o fiz de forma interrupta, e só de pensar que daqui 48 horas saberei o resultado daquilo que há tempos estou me preparando fico ansiosa. Por isso não penso! Escrevo, porque assim acredito me livrar de parte da tensão.

O que foi feito foi feito. Agora preciso relaxar, preciso dormir... Preciso terminar minha mala para partir amanhã cedo. Afinal, Santa Catarina me espera!

domingo, 10 de junho de 2012

Volta na Ilha

Consegui finalmente colocar esse projeto para funcionar, sempre tive vontade mas ninguém para acompanhar. O interesse era dar uma volta completa na Ilha de Vitória com direito a cereja do bolo, subir a fonte grande (3.4 Km de subida íngreme e intensa, que depois que acaba é uma delícia). Desta vez eu tinha uma equipe, o Fernando, a Wanelli e o meu irmão, sairíamos no sábado as 5 da manhã da praia.

Vinte minutos antes meu irmão mandou um torpedo alegando que tinha acabado de chegar em casa, ok cada um se diverte como pode rs, começamos os três restantes no escuro mesmo já subindo a Rod. Serafim Derenze, se em algum momento eu tive a chance de escolher um treino com emoção ou sem emoção provavelmente ele passou e eu não vi, acabou sendo com emoção mesmo. A Rodovia estava vazia com direito a muitos bêbados, carros de som (Funk) sobreviventes de alguma balada e muitos, muitos cachorros vira-latas, confesso que tenho um pouco mais de medo deles do que de gente, afinal cachorros não te dão chance nenhuma para argumentar. Tudo bem, se estou escrevendo é porque sobrevivi e sei que até amanhecer ninguém foi capaz de abrir uma palavra, todos mudos.

Foi tudo meio complicado porque foi alem das minhas contas, esperava terminar a volta entre 23 e 25km’s mas com a subida na Fonte Grande acabou terminando em 30. O Fernando terminou o treino dele com 21 prox. a rodoviária e pegou um taxi, Wanelli terminou um pouco mais a frente e terminou de busão, e eu, bem eu não sabia muito bem o que fazer sozinha, coloquei minha playlist nova, ouvi a música que mais gostei 5 vezes e acelerei, precisava acabar porque ainda tinha que terminar meu treino na areia, cheguei a parar um ônibus para chegar logo e ir para a areia, mas a vontade de terminar a grande volta foi maior do que a pouca força que tinha. Demorou uma cara para chegar, depois de 20 km subindo e descendo qualquer km mesmo que seja plano assusta. Quando enfim cheguei, fiz mais 5 km de areia me ARRASTANDO pela praia. A sorte é que o dia estava lindo, então me arrastei com gosto e me joguei no mar quando terminei. Vi até uma Tartaruga quando estava terminando o treino, podia ser delírio claro, mas eu vi! 4:30.



Já sabendo que não iria ser fácil adicionei umas musiquinhas novas para animar.
1- Rooftops – Lostprophets
2- Dog Days are over – Florence and The Machine
3- Shake it out – Florence and The Machine
4- Come as you are – Nirvana
5- Pumped up Kicks – Foster the people
6- Whistle – Flo Rida
7- Great Times – Will I AM
8- Call me Maybe – Carly
9- Lights – Ellie Gouding
10- How To Love – Lil Wayne
11- In the End – Linkin Park
12- BY the Way – RHCP
13- Scar Tissue – RHCP
14- I’LL Go Crazy if i don’t go crazy tonight – U2
15- Good Girl – Alexis Jordan
16- Payphone – Maroon 5
17- Dance Again – Jennifer Lopez
18- Cheers – Rihanna
19- Wonderwall – Oasis
20- Love you like a Love Song Baby

Para lembrar os velhos tempos de shows no Alvares: Paralamas para o tempo passar rápido.
Meu Erro e Jogos de Amor

Obs: Posso dizer que tirei o Arrocha (que me divertia muito por sinal enquanto corria) e voltei para o Popzinho as vezes meio Rock. Se for me julgar pelo meu gosto musical estou frita e sou praticamente uma perdida musical :)

terça-feira, 29 de maio de 2012

Subindo a ladeira

Assim que cliquei em enviar no último post eu sabia que algo sinistro poderia acontecer. Até porque sou rainha no quesito pagar a lingua. E foi tudo assim muito rápido, como pude ser tão ingênua em achar que não sentiria tão logo dores em meus treinos e que meia hora a mais em nada mudaria.

Primeiramente fui supreendida com um super convite do ultramaratonista Gusmão a subir em treino a Serafin Derenze e depois o morro da Fonte Grande, tudo bem, sabe-se Deus quando teria o privilégio de fazer um treino desses com alguém experiente novamente, então vamos lá. - Levanta da cama Fernando que você vai comigo, vamos sofrer together, marido é pra essas coisas também. Acordei as 4 da manhã e em torno de 5h da matina começamos e fomos para a rodovia que foi palco de uma meia maratona sofrida que fiz com 10 km de altos e baixos há uns anos atrás, já sabia o que tinha por vir. O que eu não sabia era que a pior ladeira do trajeto emendaria com o morro da fonte grande virando 3,5 km de subida ingrime sem respirar. É claro que faltando 1 km dei uma caminhadinha básica, principalmente quando vi meu digníssimo esposo lá, firme e forte subindo, chegou na minha frente claro. Ah e o Gusmão nem se fala, chegou uns 15 minutos antes hehe. O dia estava lindo, amanhecendo, mas eu estava morta, não pude apreciar, só pensava na volta e nos 90 minutos de areia que ainda faltava. Sem contar que meu querido Mizuno resolveu me infernizar queimando a sola do meu pé, beleza, vou reclamar só quando já estiver acabando.
Enquanto estava subindo tentei realizar o verdadeiro motivo que me faz decidir por provas de montanha, puta merda de subida, isso não vai ser nada lá em Urubici. Na hora nunca chego em nenhuma conclusão, só mentalizo o processo de evita-las, coisa que não tem dado certo.

Voltamos, e o Fernando parou no km 25 de morro, recorde pessoal dele, na vida! E eu, já morta, olhei para areia, ela me encarou e quase que eu desisti, odeio que me encare. Mas não quer ser ultra baby, então vai!
Quase nove da manhã e eu começando o que era para acabar. O Gusmão foi comigo, não sabia se isso era bom ou ruim, de forma alguma eu poderia caminhar, não que fosse do meu feitio desistir, mas que dava vontade dava, o morro e o tênis queimando o meu pé me mataram. Falava, vai Gusmão, termina o seu, e nada adiantou, ele disse que terminariamos juntos, beleza então, mentaliza o final, joga água na cabeça, deixa a roupa confortável, coloca a musiquinha e vai. Ufa! Acabei meu maior treino até então, 4h30 e trinta e poucos km's. Um pouco envergonhada é claro, com medo de ter atrapalhado o treino dele rs, mas tudo bem.

Bom, sai com o saldo super positivo, muitas dicas na cabeça. Mas também fiquei arriada no fim de semana, principalmente com a quantindade de compromissos que tive pós treino.
Ah e o Fernando, esse sim, me deixou puta da vida, não reclamou de dor. Muito estranho, perguntei mais de 20 vezes, estou incorfomada, já que vi que meu objetivo de deixa-lo bem cansado em Urubici não vai funcionar.

Agora é Advil pra mim, porque hoje é terça eu ainda sinto as ladeiras, lembro delas de minuto em minuto. Ah, e Sábado que vem, 5hs - No pain, No Gain.


sexta-feira, 25 de maio de 2012

Agora é a sua vez cabeça!

Com o tempo passando e o volume aumentando me sinto mais resistente a dores e a necessidade de Advil diminui consideravelmente. Tenho feito treinos que ainda não tinha realizado, e tem sido difícil, mas nunca perto da dificuldade dos treinos da minha primeira maratona, talvez porque lá atrás a minha cabeça também podia jogar contra.
Por exemplo, ontem fiz pela primeira vez 14 Km na areia seguidos. A consequência disso foram 9 horas bem dormidas... a muito tempo não sabia o que era capotar nesse período. Acabei acordando bem ruizinha e quando pensei em tomar um remédio para ficar bem meu corpo já havia se recuperado, achei estranho, porque estou preocupada com o treino pioneiro de amanhã, não posso já começar cansada. Bom, assim tem sido minha recuperação fisica por enquanto, sem remédios, mas também não cheguei ao ápice dos treinos, daqui a dois sábados posso vir a deletar esse post rs.

Agora o real motivo da minha vinda aqui é o que rolou na minha cabeça ontem. Em Janeiro fiz 110 Km não oficiais com intervalos de 2 horas, então isso não me faz me considerar uma ultramaratonista. No dia 23 de junho faço 52 Km e li em algum lugar que isso faz de uma pessoa uma super maratonista e não uma ultra, tudo bem, entendi. Sendo assim num momento de insanidade me inscrevi para 20 dias depois fazer 24hs e finalmente ser oficialmente uma ultramaratonista. Quando digo insanidade é porque tenho um número de km's em mente, não queria fazer feio, nem ficar na rabeta da classificação rs, posso até ficar, mas vou fazer o possível e o impossível para não, não precisa ser na ponta, mas na rabeta é injustiça, mas como primeira eu posso pensar em aceitar rs.
Quer dizer, muita coisa pode rolar para essas 24hs não acontecerem, o que depender de mim estarei lá, mas o que depender de Deus já não posso garantir. Mas a possibilidade de ver um sonho tão próximo, meu título chegar tão rápido me faz esquecer os problemas (mentira, impossível rs), mas me faz treinar com vontade e feliz.
Começo a fazer planos, contas, e soubesse que terminaria de um jeito satisfatório gostaria de levar família, treinadores, amigos, todos para o Rio para comemorar comigo, mas tenho medo, ainda preciso treinar minha cabeça, só sei que é muito importante chegar e terminar e que está muito próximo :).

Cabeça, agora é a sua vez de treinar, me ajuda aí.


terça-feira, 15 de maio de 2012

Esse Desafrio Promete!

Ontem Fui surpreendida com uma chuva de emails especiais que estão fazendo de Urubici mais que um desafrio, uma viagem especial.

Meu querido irmão de criação (gostei dessa Ricardo) hahaha vazou para o blog, entrou em contato com os Super Laranjas moradores de Santa Catarina que não tenho nem palavras para descrever a simpatia com que estão me ajudando a desenrolar Urubici com dicas, hospedagem... Aliás, além de tudo isso algo muito importante está acontecendo, é que a Marayse vai fazer dupla com meu marido para correr os 52 km do Desafrio, isso significa que o Fernando vai subir o morro por 26,7 km rs... juro que fiquei emocionada e me diverti muito, ele pediu para fazer, insistiu e aí está, foi desafiado! Hoje pela manhã ele estava tenso rs, mais uma vez me diverti... Rapidamente fiz sua inscrição e agora o caminho é sem volta, ele tem menos de 40 dias para treinar.

Sei que ele é forte, persistente, vai ralar muito mas vai conseguir aos trancos e literalmente barrancos. Com isso tudo não quero nada além do respeito dele em relação aos meus treinos, que vamos lá, não influenciam em "quase nada" a nossa vida já que a maioria deles acontecem nos meus horários de almoço, jantar e de dormir, horários esses que na maioria ele não está comigo. Então ele pouco pode reclamar. Gostaria muito que ele curtisse e se divertisse com tudo isso até porque eu tenho me divertido com as minhas dores até hoje, pode parecer estranho, mas não é rs.

Sendo assim, Felipe Souto e Marayse, esperem por mim que já estou chegando. Espero estar preparada, e também espero com isso dar uma esquecida na prova de 24hs também (impossível né, mas eu tento).



segunda-feira, 14 de maio de 2012

Fui enganada!

Fui enganada por mim mesma! Isso mesmo, me enganei.

Achei que após fazer a inscrição dos 52 Km iria sossegar e só pensar em Santa Catarina. Mas no sábado após tantas horas subindo ladeira e tentando correr na areia posso ter deixado cair algum dispositivo de segurança importante do meu cérebro, aquele que regula meus impulsos.
Vi uma mensagem do querido amigo Jorge Cerqueira dizendo que tinha aberto as inscrições para a ultra dos Fuzileiros Navais do dia 14 de julho. Pronto! Sem parar para pensar porque eu preciso dessa corrida, me inscrevi, dessa vez sem o apoio familiar por enquanto, estamos chegando em um acordo, assim espero, preciso de apoio! Mas reconheço que não sou fácil, quero tudo ao mesmo tempo!

É isso, vou com os treinos de Urubici ver qual é a dessa parada de 24 hs, sei que não tenho preparo e nem faço idéia do sofrimento, quer dizer, até faço por alguns relatos, mas prefiro não pensar agora. Vou precisar de muitas dicas estratégicas para o dia da prova.

Tenho ótimas notícias de Urubici, mas vou fazer mais tarde um post especial para essa corrida que promete.

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Então vamos lá!

Uma das melhores coisas que fiz depois que comecei a colocar grandes objetivos na corrida foi criar um Blog.
Mesmo com tantas besteiras que escrevo, ainda tenho amigos que dão crédito rs, e o melhor me ajudam a tomar decisões que me tiram o sono e a paciência.

Nessa louca indecisão do que fazer resolvi analisar os sinais e seguir para Urubici.
Primeiro porque era o objetivo principal dos treinos, segundo porque preciso ter o pé no chão (cair na real), e terceiro porque vocês blogueiros assim quiseram rs. O Martelo veio a bater quando a Helena, que ainda não conheço (Seja Bem Vinda Helena) disse que Santa Catarina me espera... aí foi emoção demais rs. Decido que vou.

Convenci o marido ontem mesmo, comprei as passagens e acabei de pagar a inscrição. Pronto! Só falta O transporte de Floripa para Urubici e hospedagem (que se não rolar devido a lotação durmo no carro mesmo rs).

Isso aí. Posso relaxar agora até dia 23 de junho. DESAFRIO, aí vou eu congelar!!!



quarta-feira, 9 de maio de 2012

Tempo Amigo

Por livre e espontânea pressão, fiz uma prova de 10 KM esse fim de semana.
Evito essas provas porque no sábado sempre tenho um longão muitas vezes desgastante, então fico receosa de acabar me machucando em uma prova dessas caso eu venha ceder por algum tipo de competição contra mim mesma imposta pela minha própria pessoa.

Mas desta vez acabei me surpreendendo, depois de um longão de 2h30 com muita areia e ladeira, consegui manter um ritmo de 5:18 nos 10 KM, terminando a prova com 51:43. Sem me matar, mas fiquei ofegante algumas vezes, e tenho pânico de ficar ofegante desde o dia que me disseram que se isso faz o meu corpo oxidar mais rápido, e como boa filha do meu pai, também tenho pânico de envelhecer rs. Aguento mais tomar anti-oxidante.
Bem, voltando, com esse tempo amigo, provei para mim que dá para ser sub 50 nos 10KM mais rápido do que imaginava, mas como não quero oxidar e particularmente amo as corridas tranquilas, vou deixar isso bem mais pra frente. Ainda amo minhas corridas em paz, respirando normal.

Agora preciso mesmo é resolver uma coisa que anda me corroendo por dentro.
Não consigo fechar Urubici! Putz, foi mais fácil chegar na Patagônia do que está sendo ir para o sul do país. E fora milhões de outras questões. Estou agoniada. estou sendo tomada por uma vontade de fazer Bertioga-Maresias no dia 02 de junho, mas não sei se dá para encarar os 75 KM, mas essa vontade que me mata...
Ai, acho que não estou preparada para escrever sobre isso. Nem para falar sobre isso. Nem para pensar sobre isso.
Estou confusa e o tempo anda me engulindo.
Preciso de ajuda, a chocolover renasceu e anda devorando o mundo rs.

terça-feira, 1 de maio de 2012

Not Accepted - Again

Lá vou eu chorar pelo leite derramado mais uma vez.

Há 3 anos espero para realizar um grande desejo de correr a Maratona de NY, maratona que inspirou meus primeiros passos na corrida, e na cidade onde minha vida já mudou tantas vezes de direção.

Passei dois dias inteiros ansiosa, comendo todos os chocolates possiveis, etc, na esperança de um Accepted e poder gritar que estava dentro. Todo ano é a mesma tortura, até poderia pensar em pagar a excursão pela Kamel e acabar logo com isso já que é torturante esperar, mas como eu queria o gostinho de ser aceita, coisa de maluca, mas eu queria muito... talvez até mais que correr rs, vou excluir a página deles do meu Face para ver se diminui minha agonia rs.

Tudo bem, passou, depois de um dia inteiro olhando a fatura do cartão de crédito para ver se debitaram a cara inscrição, não teve jeito, acordei com um belo não e ainda fiquei puta da vida pela falta de jeito deles, pô, não se coloca um not accepted assim na cara, quem queria muito fica triste. Tem que dizer com jeitinho tipo - infelizmente não foi dessa vez, tente de novo :) - sei lá, uma coisa mais simpática. Vou te dizer que quase não choro, mas nesse dia eu chorei rs... assisti um filme bem triste para justificar a cara inchada para o marido, ele não iria se confirmar se soubesse que era por isso.

Bom, agora é esperar se a regra realmente vai valer para quem já tentou 3 vezes e foi negado, apesar de todas as mudanças nas regras, me parece que quem iniciou o processo antes pode conseguir a vaga para 2013. Até descobrir vou esperar mais 12 meses, e correr a grande prova mais 20 meses... meu Deus!!! Nem sei se vou estar viva.

Bola pra frente, que tem muito desafio me esperando por aí.


P.s: Na sexta até recebi um email mais simpático, mas já tinha sido traumatizada pela ignorância do site na quarta-feira (dramática!!!)




quarta-feira, 25 de abril de 2012

ultra MARATONA DE PARIS 2012

Chegou o grande dia, dia em que acompanhei de perto todos os minutos a realização de um grande sonho da minha mãe. Agora sim ela é uma Maratonista!

Engraçado como os nossos sonhos surgem, se modificam e se aprimoram com o tempo. Quem diria que um dia ouviria da minha mãe em tão pouco tempo dizer que completar uma maratona era um sonho, tenho curiosidade nessas coisas, porque o meu sonho de completar uma maratona veio muito antes de começar a correr, e o dela não, veio depois de começar. E essa diferença não o fez menos ou mais importante que o meu, a emoção foi a mesma, a vontade de se superar foi a mesma, quem sabe até melhor, não sei. Só sei que delírios a parte, foi definitivamente um experiência intrigante e maravilhosa ir tão longe para completar uma maratona com ela independente dos meus objetivos pessoais sendo eu uma iniciante nesse mundo da corrida e não uma veterana experiente. A minha única experiência posso dizer que é a de tentar motivar, e foi isso que fiz ao longo de 42 Km, usei toda a minha pouca habilidade persuasiva (acho que é pouca) para mante-la mentalmente motivada e fisicamente bem.

Particularmete estava muito ansiosa e preocupada. Por sonseira minha aluguei um apartamento no quarto andar sem elevador, então posso dizer que pelas minhas contas um dia antes da prova subi o equivalente a um prédio de 12 andares, tentei poupar a minha mãe o máximo que pude, mas é claro que quem vai para Paris não faz uma Maratona e sim uma ultramaratona, já que a longa fila da entrega do Kits é inevitável, algo em torno de 2, 3 horas em pé um dia antes da prova no frio, sem contar as escadas dos metrôs, etc, etc. Já conhecia um pouco a cidade, então ai estava o motivo da minha apreensão. Mas tudo correu bem, mesmo um pouco cansada (queria ter ficado zero bala) minha mãe estava bem. No dia da prova, acordamos com um frio danado, algo entre 3 e 5 graus, tempo nublado e vento gelado e forte. Acormados as 7hs já que a largada era as 8:45 e estavamos apenas três estações do metrô da largada. Errei!!! Fui tarde!!!

Querendo nos poupar do frio, cheguei com apenas 45 minutos de antecedência da largada e não tinha estudado onde era os lockers para guardar o que tinha levado, errei 2 vezes (por não ter estudado onde ficava o bendito do negócio, e por ter levado a merda da mochila já que nunca carrego isso, deve ser por isso que não estudei onde ficava aquela coisa). Com a boa vontade de um brasileiro que me parecia falar muito bem francês, me ajudou e me indicou o caminho errado (sério, foi boa vontade mesmo, talvez ele não tivesse mesmo é senso de direção), resumo da ópera, larguei minha mãe num buraco na chique parede da Louis Vuitton para protege-la do frio e comecei a minha insana busca pelo bendito armário. Encurtando a história, me xinguei, xinguei a organização, chorei com frio, com medo da minha mãe perdei a largada e corri cerca de 30 minutos para achar o bendito armário que fica na chegada lá na P... Beleza, quando coloquei a mochila tinha 15 minutos para chegar até mamãe, dei um super sprint e quando percebi que ia dar tempo comecei a chorar de emoção a minha maratona parecia que acabava ali sem antes ao menos de começar, ela não perderia a largada. A encontrei encolhida tremendo de frio, sei que demorariamos muito para passar pelo pórtico mas perder o tiro da largada sem estar na sua posição psicologicamente faz mal.

O resto queridos, é o resto de uma longa corrida de 4h37 (meu tempo de Porto Alegre), começamos forte e nas minhas contas terminariamos com 4:15, mas ela sentiu e foi diminuindo, o objetivo era até 5hs, e chegamos juntas de mão dadas com 23 minutos de lambuja. Muitas descidas e subidas, pit stop no banheiro, vento forte, frio, 43.000 incriveis corredores, muita história para contar, muita superação e uma sensação de dever cumprido inegualável. Passar pela linha de chegada me fez mais uma vez perceber que tudo é possivel ao que crer.

Plagiando o grande amigo Ruy que citou Dean Karnazes segue a sitação que emociona e fez a minha mãe chorar diversas vezas após o grande feito:
"Cruzar a linha de chegada de uma maratona pela primeira vez é um momento com consequências para toda a vida. Ao fazê-lo, prova-se algo para si mesmo que jamais será tirado. Deixa o evento com sinais evidentes de que se é forte, jovial e corajoso. Uma coisa é imaginar que se tinha capacidade para correr uma maratona; outra bem diferente é saber por que o fez.
...
A coragem surge de diversas formas. Hoje você descobre a coragem para continuar tentando, par anão desistir, por mais terríveis que as coisas se tornem. E elas se tornarão terríveis. Na marca do quilômetro 40, você quase não conseguirá ver mais o percurso, a visão se torna vaga e vacilante ao mesmo tempo em que a mente oscila nos limites da consciência.
...
Sua explosão ao cruzar a linha de chegada, cheio de orgulho, para sempre livre da prisão da insegurança e das limitações autoimpostas que o mantiveram prisioneiro.
Você aprendeu mais sobre si mesmo nos últimos 42 quilômetros do que em qualquer outro dia de sua vida. Mesmo que não consiga andar mais tarde, você nunca foi tão livre. Completar uma maratona é mais do que apenas algo que se ganha; um maratonista é alguém em quem você se transforma. Enquanto estiver sendo ajudado na linha de chegada, mal conseguindo levantar a cabeça, você está em paz. Nenhuma luta, dúvida ou fracassos futuros podem remover o que você realizou hoje. Você fez o que poucos farão - o que pensou jamais conseguir fazer, e é o despertar mais glorioso e inesquecível. Você é um maratonista e usará essa distinção não na lapela, mas no coração, para o resto da vida"

É sim, foi assim, com apenas 3 longões acima de 21 km eu vi minha mãe como presente de 50 anos ganhar uma distinção de maratonista no coração, e a medalha foi só para representar a força de uma mulher que saiu de muito longe para chegar onde chegou. Sempre lutou e não desiste de uma batalha quando o objetivo é realizar um grande sonho.

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Um adeus de um grande parceiro

É com dor no coração que comunico a perda de um parceiro. Sabe aquele parceiro inseparável, sempre presente esteja você em treinos com os amigos ou em treinos solitários sob sol escaldante ou sob temporal, pois é.

Nesta quinta feira meu parceiro se despediu enquanto estavamos num delicioso treino de frente para o mar, não disse muito, só se jolgou ao chão num sinal de que ele não aguentava mais aquele tranco todo, aquelas madrugadas em claro e todo o meu desespero em estar na rua para correr, andar, sei lá!
Ele ainda pensava (não foi morte cerebral), mas aquele objeto que o ligava fortemente a mim já não era útil, já não aguentava mais ser remendado, já era! Ele oxidou muito, ficou bem acabado, estava até meio vergonhoso, sequelado, mas eu o amava feiosinho daquele jeito mesmo afinal ele estava comigo em TODOS os momentos nesses ultimos 4 anos, principalmente naqueles que eu pensava em desistir e ele me anuciava que faltava pouco, e que se eu acelerasse chegaria mais rápido. Foram incontáveis km's emocionantes juntos.

Ele se foi, meu Garmin se foi. Descanse em paz querido. Sei que posso ter te feito sofrer na semana passada quando anunciei a sua troca por um mais novo, mais moderno e mais potente, mas você é parte eterna em minha vida, e de forma alguma pensei em te inutilizar. Só iria te ajudar num revezamento, te deixando para os treinos mais perigosos e emocionantes, te poupando assim do dia a dia.

Vou parar agora, minha cabeça doi quando eu me emociono e choro. Mas essa dor vai passar, sempre passa, só preciso de um tempo. Devido as suas condições, preferi manter o seu caixão fechado e não postar fotos.

------

P.s: essa semana foi o ultimo longão da minha mãe, 32 km, e vou te contar, ela está mais preparada que eu... Eu ainda estava chorando as magoas do meu querido, meio deprê, mas foi tudo bem. Fizemos o treino em 3h44. Agora é arrumar as malas, estou louca para ver a sua emoção ao chegar.

quinta-feira, 29 de março de 2012

Meu novo amigo do peito

Eu não desisto mesmo, sou insistente, e irritantemente persistente. Não admito a derrota contra as simples coisas da vida, tais como um radinho :).

Lá vem esse assunto chato de novo, mas é que eu precisava contar essa novidade. Agora eu tenho um novo player, e desta vez a prova d'água... RÁ!!! Peguei ele agora, comprei um de natação da Speedo, e isso não será mais uma despesa fixa na minha vida.

A boa notícia é que estamos nos dando super bem, ele tem me aguentado com tranquilidade (apesar da primeira semana de stress, quando do nada ele resolveu apagar, mas ele pediu perdão e voltou a funcionar numa boa). Tem um volume ótimo, e mesmo um pouco maior e mais pesadinho que os outros, meu top aguenta, dá pra carregar ele em cima do peito e perto do coração direitinho.



Para dar boas vindas ao meu novo amigo (adoro novas amizades) tenho direito a uma salada musical bem legal

- FUNHOUSE - Pink
- I'M COMING HOME - Dirty Money
- GLAD YOU CAME - tHE wANTED
- WILD ONES - feat Sia
- TURN ME ON - David Guetta
- THAT GREEN GENTLEMAN - Panic! At the Disco
- SING - My Chemical Romance
- WE FOUND LOVE - Rihana
- YOU DA ONE - Rihana
- FORGIVE-ME - Leona Lewis
- IS IT ANY WONDER - Keane
- CALLED OUT IN THE DARK - Snow Patrol
- A DOIDA - Seu Jorge

E as velhinhas:
- MUDER ONTHE DANCE FLOOR - Sophie Ellis Bextor

E as queima filme, corro mesmo com isso rs.
- Final de Semana - João Bosco e Vinicios.
- E aí - Se eu me entregar
Que escuto isso mesmo? rs, já sabemos todos!


domingo, 25 de março de 2012

Uma pista Impactante

Fui convidada para um treino de 6 horas numa pista de atletismo de 400 metros. Não me recordava de nenhuma até então. E posso adiantar que foi um tanto quanto Impactante.

Mas como tive uma semana intensa e esgotante fisicamente e emocinalmente, com treinos, eventos, reuniões e esclarecimentos (até no divã pela primeira vez eu fui parar) deixei para decidir hoje ao acordar se faria ou não esse treino... até porque uma festa de casamento tinha acabado de terminar de destruir meu quadricepdes.

Mas tudo bem, levantei as 7hs da matina, com pouquissimas horas de sono e fui conhecer a pista com uma roupa de semi corrida, até daria para correr, mas só se surgisse uma vontade superior vinda de dentro, porque eu estava um bagaço.

Quando cheguei e bati o olho na pista de terra com uns 12 corredores super empolgados dando voltas e voltas, confesso que não queria sair do carro, fiquei assustada. Durante uns 15 minutos fiquei ali parada olhando aquilo e pensando aonde eu estava indo e se eu conseguiria um dia passar 6h/8hs ali encarado aquele sol, terra, voltas e voltas e um sorriso no rosto. Só me passava uma coisa na cabeça - onde eu fui parar?? rs.

Com coragem sai do carro para admirar aquele momento, e quanto mais eu ficava ali sentada observando vinha um misto de vontades, vontade de dar um chute na dor e treinar para ver qual era a da parada e ao mesmo tempo vontade de sair correndo dali, tipo fugir pra minha cama. Será que eu também tinha que levar isso para terapia? rs.

Tá tudo muito estranho, vendo aquilo me deparei pensando em desistir de Urubici e pensando em provas de 24hs e de 12hs, mas também pensava que um treino ontem de 3h30 e um casamento com algumas horinhas em movimento tinham me destruido, como encararia uma prova de 24hs sem passar vergonha??

É melhor parar de pensar e deixar o cerebro processar. Apesar de todas as confusões que fiz e que causei essa semana, sinto que pela primeira vez nos últimos meses estou começando a sair do lugar, as coisas estão voltando a se encaixar. Posso não estar vendo, mas sinto! Atravessiamo!

quinta-feira, 22 de março de 2012

100 segundos para lembrar 38 horas

Finalmente consegui editar o video com as imagens da BR 135... eu enrolo, demoro mas não desisto rs. Fiz curto para não ficar chato, que por mim poderia ter 2 horas de video que não iria enjoar de ver rs.

Editei não né? escolhi a música fiz o roteiro (na cabeça) e pedir a super ajuda de um profssional para fazer milagres com as imagens não muito boas que captei durante a prova. Com 3 minutos de conversa o Editor entendeu o espirito da coisa. Acho que ficou do jeito que estava pensando.

Vejam se está aprovado :)

Link:

segunda-feira, 19 de março de 2012

Familia, Familia, Familia.

Tudo que gosto muito quero que o mundo saiba e quero convence-los de que é uma grande descoberta e que deveriam fazer o mesmo. Será que sou chata? rs. Assim foi com a corrida, logo de cara me entusiamei e queria convecer todo mundo de que era a melhor coisa do mundo. Nesse ritmo consegui levar meu pai, minha mãe, meu irmão meu marido. Meu pai já é maratonista, meu marido e minha mãe já são meios, e meu irmão já fez 10 milhas e está inscrito para a meia do Rio. Isso tudo depois do meu começo há quase 4 anos. Depois de muita falar, convenci mamãe a tentar sua primeira maratona dia 15 de abril. É claro que ela escolheu um lugar especial, caso contrário ela não moveria uma gota de suor rs.

Beleza, me empolguei e fiz nossa inscrição. Ai começaram meus problemas e acabou meu sossego. Toda aquela independência dela acabou, nunca mais quis fazer nenhum treino que seja de 5 km sozinha. Morri!!! Adoro correr acompanhada, adoro correr com minha mãe. Mas preciso de ao menos uma vez por semana um respiro, é correndo sozinha que coloco minha vida em ordem, que carrego minhas baterias. Sendo assim, tem uns 2 meses que as coisas estão desordenadas e estou sem baterias rs.

Na semana passada reclamei, ai me disseram: - nossa que maldade a sua, quando você estava treinando para a primeira suas amigas te deram um super apoio e corriam com você.
Ok ok, eu entendi, só queria 10 minutinhos, pode ser? ai consegui fazer um de 40 minutos de areia. Esse sim foi perfeito. Dificuldade, vento contra, mar de um lado, muita areia do outro, carros bem longe, silêncio total. E meu radinho bombando. E nesse fim de semana fui visitar minha turminha de montanha em Sampa, e fiz meu longão na USP de 3 hs sozinha, adoro a USP. Desde que conheci a USP minhas idas a SP se transformaram, ficaram ótimas, passei a dirigir por lá e hoje vou a qualquer lugar, pode chamar que vou! Indepedência ou morte!

Bom é isso, só um mini desabafo rs. Love you Mamy's. Ou abalamos Paris, ou Paris abala a gente.



Para correr tranquila e bonitinho essa semana:

Katy perry - The One that Got Away

http://www.youtube.com/watch?v=Ahha3Cqe_fk

quarta-feira, 7 de março de 2012

Um pedido especial...

Um pedido especial não, um sacrificio especial rs.

Pela primeira vez em dez anos eu e meu marido comemoramos aniversário de casamento no carnaval, um bom feriado para uma data especial, afinal 10 anos não é para qualquer casal, é muita luta rs... mas muita vitória também.

Programamos emendar e tirar nossa sonhada lua de mel já que na de verdade, há 10 anos eu levei meus pais :), pois é, ele levou o sogrinho e a sogrinha para acompanhar, beleza, ninguém reclamou, eramos duas crianças e fizemos um mochilão por ai, lua de mel que nada, queriamos mesmo é conhecer o mundo e viajar já que tinhamos ganhado as passagens. Meus pais passaram a primeira semana conosco e na segunda a desorganização começou, fomos para um lugar com temperatura de - 20 e nem hotel nem transporte tinhamos reservado, dois durinhos. Mas foi tudo divertido.

Desta vez não, a coisa foi organizada, o tempo foi menor mas valeu a pena. O grande lance de tudo, foi o pedido do marido, me pediu para não correr durante os 10 dias, nem levar tênis - MORRI!!! Deve ter sido vingança tardia, só pode, levou os sogros no passado e agora me proibiu o meu amado tênis... que dureza... Passei uns dias tensa pensando no que fazer e decidi. Não corro, mas fica sem presente de aniversário, até porque, isso já vale mais que 1 milhão, e levei meu tênis escondido, vai que a gente briga??? vou relaxar como??? :)) Na minha pequena malinha, metade da dele, ainda consegui esconder meu amadinho e meu garminzinho.

No final das contas, ficamos perambulando tanto de um lugar para outro que nem deu tempo de colocar o tênis. Ficamos ocupados com outras coisas ;). Mas não quero passar esse aperto mais não, principalmente com uma maratona tão perto. Espero um pedido igual a esse só daqui a 10 anos, e olhe lá.

23/02/2002





25/02/2012



obs: Ai que saudade de escrever, tenho tanta besteira para falar rs e estou com tão pouco tempo.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Falando sério!

Eu me rendo!

Falo sobre o assunto que me irrita.
Realmente emgreci muito, perdi 6 kg nos últimos 6 meses.
O que me irrita não é o fato de perder esse peso, o que me irrita foi ter deixado chegar onde cheguei, ter ficado onde fiquei sem perceber achando que tudo estava lindo e ótimo, o problema eram as máquinas fotógraficas e o excesso de massa magra que eu tinha hahahahahaha... Casei com um corpo ótimo e achei que iria continuar com ele forever rs.
ok, brincadeirinhas a parte, realmente me sentia bem, esse tal do problema de baixa estima graças Deus não me lembro de ter me rondado, e vou te dizer que isso é um problema de família rs.

Desses 30 anos de experiência com peso chego a algumas conclusões, que, podem mudar é claro, foram tentativas em busca de melhorar sempre. Não queria escrever sobre isso agora, porque foi apenas uma batalha, a guerra só acaba no caixão rs. Mas também poxa vida, não posso deixar de registrar tudo isso que faz parte deste momento importante.

- Meu pai e minha mãe foram de EXTREMA importância desde criança, cuidando do meu corpinho. Minha mãe chegava a acordar de madrugada comigo quando eu ainda tinha 13 anos para ir a academia ainda adolescente. Me incentivaram em todos os esportes que tentei, até no futebol. Sempre avaliaram as minhas roupas sem dó nem piedade, principalmente meu pai, não era permitido colocar uma bermuda que me deixasse gordinha (eles me fizeram com a bunda grande e ficaram com dor na consciência, pois é, desculpa ai o vacabulário rs). Então consegui manter um peso legal até os 20 sob o olhar deles, depois casei e já elvis. Eu sei, pode parecer cruel, mas foi importante.

- Marido engorda!!! Claro que marido engorda. Primeiro, a partir do momento que ele casa com você ele já conheceu a forma original, o objetivo agora é mudar, mudar tudo para você sair da mira de qualquer outro. Depois ele aprendeu com a mãe que elogio é fundamental, então cada quilinho a mais você fica melhor na visão deles, não é mesmo? E ai deles se abrirem o bico para a verdade, A CASA CAI (esse direito só é concedido ao pai e a mãe, e olhe lá). Segundo, eles também querem relaxar, comer até morrer. Terceiro, querem comida rápida e boa, então dá macarrão que é bom, rápido e engorda rs. Além disso, ele te estressa e te faz comer chocolate, doce e afins.

- ESCUTE tudo que te falam, mas só absorva o que seu coração te der paz. Amor, comprometimento, bem querer, não se avalia. Uma coisa é certa, sua família te ama e seus amigos que te transmitem paz te amam.

- Não resista, compre uma balança e coloque no banheiro, não é neurose, nem paranóia. É só porque 5 kg você engorda sem perceber, e ai meu bem, o que dá para fazer de imediato é chorar e comer mais, totalizando 7 kg. Controle seu peso de dois em dois dias, assim dá tempo de perceber o que aconteceu.

- Faça mil exames de todos os tipos, tiroide, colesterol, etc etc. No meu caso descobri a SOP, então se tomo remédio engordo, se paro emagreço e fico cheia de espinhas, aêee, welcome!!!
Estou na tentiva agora de: tomo remédio, corro milhões de km's por semana e vejo se consigo controlar a minha pele.

- IMPREVISTOS ACONTECEM. Esteja preparado! Tenho consciência disso, que daqui 6 meses a realidade pode ser outra, por isso mudei apenas algumas peças do meu guarda-roupa. A melhor forma de vencer é estar ciente de que pode ser derrotado, assim você consegue se prevenir e combater o inmigo antes do ataque hehehe (virou auto-ajuda rs, isso que dá ler de mais).

- Não conte vitória antes de resultados visiveis e reais.

- CHOCOLATES, DOCES E AFINS - aí sim, mora o perigo. A Chocolover que existe em mim renasce sempre, principalmente numa determinada semana do mês. Doce, amo!!! Até porque não quero ser amarguradinha rs. Aqui resolvo com abstinência porque é vicio. Só que assim ó, essa abstinência deve acontecer atualmente tipo umas 5 semanas no ano rs. Ai resolvo fazer o que amo CORRER, CAMINHAR E MALHAR. Você decide, você pode ficar sem também. Hoje, i can't. Uma boa dica é escolher um alimento calórico para eliminar de vez e assim poder comer seus docinhos sem culpa, no meu caso cortei pão e massa. Ganho energia de carboidrato com arroz e batata.

- CIRURGIA, acredito em você para correção de imperfeições do que incomoda e para casos de saúde extrema a bariátrica, fora isso, fique longe. Um cirurgião não consegue mudar todo o seu corpo com lipo por toda a parte. O máximo que vai acontecer é sair da mesa cirúrgica parecendo que foi atropelada por um caminhão e teve a sorte de sair da UTI, magra claro por duas semanas. Após isso seu corpo vai sentir a agressão das cânulas e você vai inflar que nem um balão, chorar rios de lágrimas e achar que estava muito melhor antes enquanto suas roupas ainda cabiam. Se tiver sorte e for boa de cabeça para aguardar desinchar por 6 meses sem chorar e sem comer forever, Parabéns! Você passou de fase, derrotou o chefão.

- MOVA-SE não desista, é o seu sonho?? é o que você quer? é a sua certeza? saia do lugar,nem que seja devagar, nem que seja por 5 minutos. Faça planilhas (adoro planilhas) comece pequeno tipo, 1 h sem comer doce com 5 minutos de caminhada. Sinta o seu mover, será sempre o seu maior incentivo. Infelizmente o sofá nunca fará nada por nós. Não reclame do seu peso se você não consegue se mecher para mudar, chute a preguiça.

- Agora a pior e a melhor de todas as noticias. Corrida não emagrece - SOZINHA. Isso só acontece com homens no inicio, depois baby, feche a boca ou fique feliz gordinho. Porque vou te dizer a real disso tudo e o que mais importa, ESTEJA FELIZ ONDE VOCÊ ESTÁ AGORA - estava feliz gordinha é sério, só não gostava das minhas fotos, já meu espelho eu amava rs.

Eu tenho certeza que apesar de todo o vento contrário (sim ele sopra contra para todo mundo, não se iluda) te garanto que você ainda consegue encontrar ao menos 1001 motivos para ser feliz HOJE. SEJA FELIZ!
Só não saia espalhando por ai, não é todo mundo que quer te ver assim ;)

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Imagens BR 135 2012

Tentei me dedicar as filmagens para tentar fazer um video legal, mas não sei se será possível porque ou você corre ou você grava, mas aguardo e verei.

Para fotografar contamos com os conjuges :) ... segue algumas.

Foto largada



Antes da minha primeira parte com Maria Luisa, netinha do João (ele já tinha começado a prova), nosso apoio motivacional, aqui ela fez um mapa do Pico do Gavião para ninguém se perder. Ela aguentou firme e forte 38hs dentro do carro, futuraultra com certeza.



O João sabe brincar!!! Até o carro ele plota.



Chegando do meu primeiro trecho de 16 km



Após um banho e indo para o primeiro trecho noturno, até aqui já tinha acumulado 46 km. Lavou, tá nova! Muito bom o banho, revigorante apesar do muquifinho.



200 km de Terra



17 km de Asfalto



E aqui, tudo era possível... Aqui neste ultimo trecho onde a piores noticias rolavam sobredelirios, sobre morros... Mas também rolam expectativas de melhores tempos, de chegar inteiro, vivo... de completar, etc... Um misto de tudo.
Para mim, era só uma possibilidade real, fazer 110 km (e a partir deste ponto faltavam 17).

Então era colocar o colete obrigatório a partir das 18hs e preparar a mochila.



Mas rapidamente o tempo começou a fechar e eu comecei a me preocupar.



Mas deixa o temporal para lá, afinal, ele ainda não chegou, o importante é que estava muito feliz, não dava para esconder, me sentia muito inteira ali.



Então tchau povo, até mais. O João sofreu comigo coitado, eu descansada, e ele após 200 km seguidos tendo que ouvir meus delírios, porque como eu falei viu, falava que nem uma tagarela, e ainda liguei o GPS para ter dados analiticos, acho que depois daquela foto ali ele queria me afundar naquele barro, principalmente durante a chuva rs. Olha o tempo fechando lá atrás.



Ufa!!! Chegamos!!! Ufa nada, só o chegamos já era o suficientemente feliz, sem o ufa.



Como eu gosto de tudo isso, droga!!! droga de vicio! Queria muito viver disso, viver para isso e para Deus claro (em primeiro lugar sempre). Mas não dá né? eu sei. Tenho uma grande família e grandes amigos (quase irmãos) que também me fazem feliz. Vamos deixar acontecendo, tentando me controlar, sei que sou meio sem controle, mas juro que eu me esforço, é sério, faço um trabalho mental Level Hard. Mas é punk rs.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Pacer BR 135 Ultramarathon

Me aconteceu tanta coisa nesses dias de BR que realmente não sei como começar e não consigo pensar numa linha para escrever aqui. Mas vamos tentar!

Bem, um dia antes no encontro antes da prova conheci a família do João e sentamos para discutir quais trechos eu faria. Ele selecionou os que ele mais precisava de apoio, os com maiores subidas e noturnos. Quando resolvi somar todos os trechos, fiquei pasma, passava dos 100! Mas ele acreditou em mim (isso faz toda a diferença), me disse para ficar tranqüila que conhecia até onde eu já tinha ido, e que eu poderia abortar a qualquer momento caso não fosse possível. E a partir daquele momento parei de pensar naquela distancia toda. Consegui até tirar um cochilo a tarde, coisa impossível em qualquer dia normal. E ainda dormi muito bem a noite.

O João largaria sozinho, faria os dois primeiros trechos e eu entraria no terceiro.

Como é diferente essas corridas que ultrapassam limites, ainda não sei como me encaixo nelas, mas sei que é uma paixão meio estranha. Gosto e ponto. Sem explicação. Gosto daquele clima de largada, de ver aquelas pessoas prontas para se desafiar, pessoas que querem mais de si mesma e não dos outros ou de coisa alguma. Não senti entre eles uma tensão no ar, e sim uma vontade louca de largar. Se fizesse psicologia gostaria de fazer um estudo sobre como funciona a cabeça de um ultramaratonista. Me perguntaram o que passa na minha cabeça em treinos ou provas longas e eu não consegui responder. Acho que aí está a brincadeira, acho que não penso em nada relevante e preocupante, só banalidades e se for para pensar em algo relevante que seja sobre força e superação.

Meus trechos estavam divididos em correr, descansar, correr, descansar e o máximo que faria por vez seria 22 km. Cheguei no km 26 com tranqüilidade. Descansei bem, e no fim do dia fiz mais 20 (aqui, quando estava escurecendo e não tinha ligado a lanterna tropecei numa pedra, cai, rasguei a calça na altura do joelho e consegui uns arranhadinhos na mão e no joelho) - o máximo que consegui fazer foi rir, de vergonha! Aliás continuei rindo mais uns 30 minutos, só parei quando percebi que tinha rasgado minha calça nova, aí sim começou a doer e queria chorar rs.

Essas paradas no carro, não sei dizer ao certo se fazem bem ou se faz mal. Até porque depois de muitas horas quem ficou no carro também começa a ficar nervoso e cansado. Na verdade depois de muitas hotas a maioria fica nervoso e cansado. Depois da minha queda e de 46 km estava muito suja, e ficar parada no carro daquele jeito me fazia mal, e meu doia as pernas, não tinha muita posição. Consegui um banho comunitário no postinho por R$ 2,00 :) - fiquei nova, pronta para continuar. Fizemos um trecho duro de 22 km no escuro, e subindo sempre, muito morro. Aqui o povo já começa mais a andar do que correr. Alguns trotes ainda rolava. Chegamos na cidade quase amanhecendo e tentei tirar um cochilo para me renovar. O João continuou.

Resumindo os trechos que fiz foram esses:

Águas da Prata/Pico do Gavião - 16 Km (em torno de 2hs)

Pousada /Andradas - 10 Km (em torno de 1h10)

Serra dos Lima/Barra/Crisolia (anoitecer) - 22 Km (em torno de 3h)

Banho 1h da manhã - Lavou tá novo

Inconfidentes/Borda da Mata (madrugada) - 22 KM (em torno de 3h)

Toscos/Estiva (lá pelas 9 da matina) tensooo, o morro mais alto e longo e as descidas mais longas da prova, aqui te arrebenta - 18 KM (em torno de 3:30) - Tomei um energético efervescente bom! estava docinho rs.

Consolação/Trevo (entardecer) marido chegou aqui :) - 5 KM (35 minutos)

Trevo/Paraisópolis - Chegada - 17 Km - gás total, mas estava chovendo muito depois de 4 km (Levamos 3h30) a possibilidade de bater o recorde do João foi um energético natural para mim, mas o mundo caia em água. Aqui é muita história para poucas 3hs finais, vou deixar para um próximo post.

Muita coisa aconteceu, muita coisa mudou, mas continuo muito confusa em relação até onde posso ir. Ainda não me considero ultra porque corria umas horas e descansava um pouco, não sei, está tudo escuro rs. Só sei dizer que tudo foi muito especial, me conheci um pouco mais e preciso me acalmar para pensar. Voltei muito empolgada com planos nas alturas, mas meu marido ficou muito tenso e resolvi pensar um pouco melhor rs, não quero infarta-lo.

É isso, isso tudo que não consigo colocar aqui, espero ter conseguido registrar pelo menos uma parte. Obrigada a todos que fizeram parte da minha história até aqui, sou construida com base de incentivo, informação e vontade. Consegui cumprir meu principal objetivo nesta corrida que era diminuir o tempo do João e ajudar e não ter que ser resgatada (espero realmente ter ajudado rs). Terminamos a prova em 38h10, 1h30 a menos do que o menor do a melhor BR dele :).

Valeu galera especial, vocês fazem parte da minha Vitória!

Depois posto fotos.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Momentos antes BR135

Aqui estou eu esperando a largada.
Comi muito, estou com energia acumulada para umas 40 hs rs.

Acho que consegui relaxar enquanto dormia apesar de tudo, porque quando acordei não sabia nem onde estava. É claro que todo esse relaxamento passou assim que lembrei de São João da Boa Vista.

Uma coisa é certa, meu projeto está ambicioso, além do que vim para. Acho que por isso fico cada vez mais muda e tensa, se fico tensa, fico muda, se ainda estou calada é porque a tensão não foi embora rs.

Bem, não adianta me precipitar. Tenho um mínimo que gostaria de fazer como pacer, e quanto ao máximo acho que está alto... Mas preciso deixar acontecer para ver.

No site da www.brazil135.com.br tem uma parte "live" onde dá para assistir ao vivo o que está acontecendo. Não sei se funciona. Agora no inicio não largo. Meu trecho começa na zona mais difícil as10hs da manhã. Reclamo do nervoso, mas não fujo dos trechos com dificuldade alta, então mereço o que passo rs.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Abrindo o jogo

Tá decidido, vou falar e pronto!
O motivo dessa minha angustia e ansiedade é só um, medo! Rs
No inicio estava triste, depois fiquei eufórica e agora meu coração mudou de posição... Não quer sair da boca de forma alguma, fica assim meio acelerado todo o tempo.

E esse medo vem do simples fato de pensar na possibilidade de, ao invés de ajudar como pacer eu acabar tendo que ser resgatada precisando de ajuda morro acima e morro abaixo. Isso me preocupa mais do que a possibilidade de encontrar cobras e lagartos No meio do caminho. Tá tenso! Preciso relaxar, dormir e descansar antes que eu ressuscite a chocolover adormecida há mais ou menos 24 hs, depois que todos os meus alfajores acabaram. Lá se foi meu estoque.

Hoje também me lembrei de uma coisa, era para ter me alimentado melhor nos últimos dias. Mas nunca é tarde, já inseri os carboidratos necessários, na próxima não dou esse mole mais. E uma coisa pelo menos eu fiz bem, muitos líquidos, água de coco e etc.

E agora José? Nem uma massagem me fez relaxar. Vou dormir para ver se o coração se acalma.
Quero ajudar, não quero ser resgatada!

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Eu tô de malas prontas...

Pela primeira vez na história da minha vida resolvi fazer a mala com um dia de antencedência.
Na verdade não teve muito mistério, como nunca fiz uma prova de 48 hs na vida, então peguei tudo que eu tinha no armário de corrida e joguei numa pequena mala... já viu que não é muita coisa né? rs

Depois peguei toalhas, remédios, lanterna e acabei de lembrar da maquina fotográfica, pegarei já!
Tive problemas com a Camelbak que sumiu e com um par de tênis molhado, mas espero que a Vanilda (minha fiel escudeira aqui em casa) me ajude porque sem a mochilinha não dá!
Comprei umas barrinhas de proteína altamente caloricas, umas capsulas de energético que nunca tomei na vida (nem sei se vou usar), e outras amenidades.

Bem, é isso, estou um bagaço de tanta correria hoje, só parei agora, meia noite. E amanhã meu dia começa bem cedo.

Já estou em clima de aventura novamente. Quero saber quando vou parar de viver assim, nessa tensão rs.

domingo, 15 de janeiro de 2012

E a coragem???

Onde foi parar minha coragem esse fim de semana?
Fomos abençoados com um final de semana maravilhoso de sol (sempre uma injeção de animo para mim), muito sol, praia, companhias agradáveis... Mas a coragem para correr não surgia.

Sabe quando você acorda, o dia mal começou, e você já diz - não estou a fim de correr hora nenhuma.
Estava assim ontem e definitivamente não fazia a menor idéia do motivo. Tinha um treino de 2 hs e só sai de casa porque minha mãe vai fazer sua primeira maratona, não poderia decepciona-la, e a BR135 é essa semana. Comecei o mais tarde possível e acabei o treino quase 10 da noite. Duro foi começar, depois foi tudo bem.

Hoje, domingo, aconteceu o mesmo. Fui deixando para noite para ver se a coragem chegava e ela não vinha de jeito algum.
Eu chamava! - vem coragem, vem coragem!
Ela não me respondia, quando percebi que já era quase 8 da oite e a coragem não chegava, fui sem ela mesmo! Afinal essa semana não está para brincadeira.

Faltam 4 dias para esse grande dia, onde não sei absolutamente nada do que vai acontecer, e eu espero que o tempo passe bem devagar. Nem sei se eu quero que chegue rs. Tenho muita coisa para fazer antes de viajar.

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Um dia sempre chega!

Engraçado como as ansiedades dos períodos pré provas mudam sempre. Da última vez a minha única preocupação era chegar. Eu só queria fazer de tudo para chegar até lá, chegar até a largada, e de lá bem, seria eu por mim mesa, a responsabilidade do meu sucesso ou fracasso era só minha. Eu que paguei as minhas despesas e me propus a atravessar 5.000 km's para completar 42 km.

Agora é diferente. Eu não consigo parar de pensar em tudo que poderia ter feito e de outra forma. Faltam 10 dias. Vou participar de uma prova como coadjuvante, onde o ator principal espera de mim algo que não faço a menor idéia do que realmente seja e se vou poder cumprir. Na verdade, pode ser que como ele mesmo disse, qualquer 100 metros que eu fizer será de grande ajuda. Mas não tem jeito, a maior cobrança parte da minha cabeça, e terminar essas duas ultimas semanas com quase 160 km acumulados descansada me fez pensar que poderia ter doado mais para fazer mais e melhor. Como vou descansar nesses 10 dias se não estou cansada??
Ao passo que durante os treinos me sentia cansada e despreparada para fazer 4hs seguidas, e quanto mais em pensar que a partir do dia 20 vou fazer trechos longos e dificies, parar e descansar nos de baixa dificuldade, e depois voltar a correr. Como acompanhar um fera que pretende terminar os 217 km em bem menos que 48hs seguidas? e como pensar em qualquer coisa se só vou saber o quanto eu vou correr 1 dia antes da prova?

Apesar de estar rodeada de pessoas legais e motivantes, não dá pra ficar a vontade em soltar essas minhas perguntas idiotas que nem deveriam passar pela minha cabeça, então vai pro blog mesmo, love you blog :)

Em meio a tantas dúvidas, é claro que em momento algum me sinto acuada, só queria estar preparada para fazer mais e melhor, apesar de não fazer idéia se o que eu vou fazer é ruim, mediano ou bom. Desses 217 km, tenho uma meta realista, uma boa e uma de sonho dentro da minha capacidade, agora é "tentar" esperar chegar o grande dia, por que afinal, UM DIA SEMPRE CHEGA!

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Toda dia ela faz tudo sempre igual

Se não fosse assim não seria comigo.
Nessa coisa de fazer mil coisas ao mesmo tempo não consigo fazer nada para mim direito.
Lá vou eu para mais uma prova onde a única certeza que tenho é a minha passagem para São Paulo.

Durmo uma noite em Sampa no dia 18 e dia 19 pego um ônibus para São João onde vai ser a largada. Ainda não comprei esse passagem e vi que tem transporte acho que de meia em meia hora.
Tenho que chegar antes do almoço, e na parte da tarde vou finalmente saber quais trechos vou fazer, porque até agora não faço a menor idéia de quatos km's, do tamanho do morro, de nada.
Tenho hotel reservado em São João, mas em Paraisópolis na minha chegada, já não tinha mais hospedagem. Bem, Campos do Jordão está a 50 km, com sorte espero que meu marido vá me buscar. Ele não queria não, porque o que ele queria mesmo era ficar dentro do carro participando do percurso completo, mas aí não rola. Ele tentaria me proteger d+, e provavelmente ficariamos os dois nervosos e a brincadeira acabaria por ali.
Caso tudo dê certo e ele me busque espero que procure uma hospedagem em Campos para mim, será que ele faria isso?? será? será? temos tantas coisas para resolver de outras coisas que não consigo pensar direito nisso. Vou enlouquecer!
Se tudo der errado durmo no carro na chegada!

Bom, a bem verdade é que realmente a única coisa que tenho é a minha passagem para parte do caminho (vai ser assim comigo para sempre?). Minha cabeça está a mil, não estou conseguindo processar nada. A única coisa que faço é sair para correr, na rua, na chuva, no calçadão. Pode chover, trovejar, cair o mundo, que ali estou, e é muito melhor assim. Pelo menos por enquanto.

Todo inicio de ano é assim, essa confusão toda, e encaixar as viagens de corrida no meio disso tudo é tenso, quem foi que inventou uma prova no dia 20 de janeiro? que loucura!
E ainda tenho que pensar na maratona de abril que já está quase aí e não vi passagem, nada. Nossa, chega, melhor trabalhar, que 2011 ainda está me perseguindo no trabalho, preciso encerra-lo!


quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Tentando Musicalizar

Definitivamente os radinhos não me amam.

Acabei de perder mais um, triste fim!
Se foi sem nem ao menos dizer adeus. Realmente não sei mais o que eu faço. O último meu marido que deu, mas já foram muitos e muitos de todas as marcas no mercado, tento desistir porque não uso muito, vai mais como amuleto mesmo, mas vai que eu preciso, quer dizer, tem dias que eu preciso. Tipo essa semana, e eu não tinha.
Tentei conversar com o marido para ver se ele me ajudava com o dele, alem de emprestar com dó (as musicas dele são as minhas muito velhas e poucas, não dá) ainda brigou comigo, ele disse que os radinhos não iriam virar uma despesa mensal lá em casa, ahhh amorzinho, poxa vida, não briga comigo rs.

Tive que comprar + um escondido, agora da Philco. Philco, você me aguenta? porque ninguém aguenta rs. O próximo compro a prova de Katryny (a prova d'água).

Para inaugurar meu mais novo radinho rosa (só tinha essa cor, argh) vamos colocar as músicas velhas e algumas estreantes. Seguem as estreantes:

Músicas Baladinha:

David Guetta - Titanium
David Guetta - Without You
David Guetta - Where them girls
Martin Solveig - Ready 2 Go
Martin Solveig - Hello (I just came to say hello)

Músicas que fazem o tempo passar rápido:

Green Day - When i come around
Green Day - When it's time
Green Day - Wake me up when september ends
Green Day - 21 Guns
The Offspring - The Kid's aren't alright
Red Hot - Scar Tissue
Red Hot - Can't Stop
Red Hot - By the way
Foo Fighters - Everlong
Foo Fighters - Best of you
Detonautas - Outro Lugar

Músicas para o tempo voar, só para longões - Vivo no mundo da lua mesmo, então essas me atendem bem.

Matchbox 20 - Unwell
Matchbox 20 - if you're gone (maybe it's time to go home)
Matchbox 20 - 3 AM
Nando Reis - All Star
Paralamas e Pitty - Tendo a Lua
Djavan - Linha do Equador



The world I love
The tears I drop
To be part of
The wave can't stop
Ever wonder if it's all for you
The world I love
The trains I hope
To be part of
The wave can't stop
Come and tell me when it's time to