Era uma vez uma futura maratonista com um sonho muito distante de completar os 42.195 km. Tudo começou em 2008 com uma vontade de mudar de vida e transformar lazer em benefício estético e psicológico. As pequenas corridas foram completadas e os objetivos sempre aumentando. Em julho de 2010 tudo mudou, virei maratonista e comecei a sonhar com as ultras distâncias. Em julho de 2012 virei oficialmente Ultra e agora planejo futuras distâncias que me desafiem cada vez mais. Me descobri desesperadoramente apaixonada por km's.

Agora tenho o ano de 2013 inteiro para fazer o que for preciso para quem sabe ser aceita na BR 135 Solo em 2014. Trabalha e Confia!


Carrego no peito as medalhas e na memória os melhores momentos da minha vida.

Próximos desafios:

03 de Novembro de 2013 - Maratona

quarta-feira, 25 de abril de 2012

ultra MARATONA DE PARIS 2012

Chegou o grande dia, dia em que acompanhei de perto todos os minutos a realização de um grande sonho da minha mãe. Agora sim ela é uma Maratonista!

Engraçado como os nossos sonhos surgem, se modificam e se aprimoram com o tempo. Quem diria que um dia ouviria da minha mãe em tão pouco tempo dizer que completar uma maratona era um sonho, tenho curiosidade nessas coisas, porque o meu sonho de completar uma maratona veio muito antes de começar a correr, e o dela não, veio depois de começar. E essa diferença não o fez menos ou mais importante que o meu, a emoção foi a mesma, a vontade de se superar foi a mesma, quem sabe até melhor, não sei. Só sei que delírios a parte, foi definitivamente um experiência intrigante e maravilhosa ir tão longe para completar uma maratona com ela independente dos meus objetivos pessoais sendo eu uma iniciante nesse mundo da corrida e não uma veterana experiente. A minha única experiência posso dizer que é a de tentar motivar, e foi isso que fiz ao longo de 42 Km, usei toda a minha pouca habilidade persuasiva (acho que é pouca) para mante-la mentalmente motivada e fisicamente bem.

Particularmete estava muito ansiosa e preocupada. Por sonseira minha aluguei um apartamento no quarto andar sem elevador, então posso dizer que pelas minhas contas um dia antes da prova subi o equivalente a um prédio de 12 andares, tentei poupar a minha mãe o máximo que pude, mas é claro que quem vai para Paris não faz uma Maratona e sim uma ultramaratona, já que a longa fila da entrega do Kits é inevitável, algo em torno de 2, 3 horas em pé um dia antes da prova no frio, sem contar as escadas dos metrôs, etc, etc. Já conhecia um pouco a cidade, então ai estava o motivo da minha apreensão. Mas tudo correu bem, mesmo um pouco cansada (queria ter ficado zero bala) minha mãe estava bem. No dia da prova, acordamos com um frio danado, algo entre 3 e 5 graus, tempo nublado e vento gelado e forte. Acormados as 7hs já que a largada era as 8:45 e estavamos apenas três estações do metrô da largada. Errei!!! Fui tarde!!!

Querendo nos poupar do frio, cheguei com apenas 45 minutos de antecedência da largada e não tinha estudado onde era os lockers para guardar o que tinha levado, errei 2 vezes (por não ter estudado onde ficava o bendito do negócio, e por ter levado a merda da mochila já que nunca carrego isso, deve ser por isso que não estudei onde ficava aquela coisa). Com a boa vontade de um brasileiro que me parecia falar muito bem francês, me ajudou e me indicou o caminho errado (sério, foi boa vontade mesmo, talvez ele não tivesse mesmo é senso de direção), resumo da ópera, larguei minha mãe num buraco na chique parede da Louis Vuitton para protege-la do frio e comecei a minha insana busca pelo bendito armário. Encurtando a história, me xinguei, xinguei a organização, chorei com frio, com medo da minha mãe perdei a largada e corri cerca de 30 minutos para achar o bendito armário que fica na chegada lá na P... Beleza, quando coloquei a mochila tinha 15 minutos para chegar até mamãe, dei um super sprint e quando percebi que ia dar tempo comecei a chorar de emoção a minha maratona parecia que acabava ali sem antes ao menos de começar, ela não perderia a largada. A encontrei encolhida tremendo de frio, sei que demorariamos muito para passar pelo pórtico mas perder o tiro da largada sem estar na sua posição psicologicamente faz mal.

O resto queridos, é o resto de uma longa corrida de 4h37 (meu tempo de Porto Alegre), começamos forte e nas minhas contas terminariamos com 4:15, mas ela sentiu e foi diminuindo, o objetivo era até 5hs, e chegamos juntas de mão dadas com 23 minutos de lambuja. Muitas descidas e subidas, pit stop no banheiro, vento forte, frio, 43.000 incriveis corredores, muita história para contar, muita superação e uma sensação de dever cumprido inegualável. Passar pela linha de chegada me fez mais uma vez perceber que tudo é possivel ao que crer.

Plagiando o grande amigo Ruy que citou Dean Karnazes segue a sitação que emociona e fez a minha mãe chorar diversas vezas após o grande feito:
"Cruzar a linha de chegada de uma maratona pela primeira vez é um momento com consequências para toda a vida. Ao fazê-lo, prova-se algo para si mesmo que jamais será tirado. Deixa o evento com sinais evidentes de que se é forte, jovial e corajoso. Uma coisa é imaginar que se tinha capacidade para correr uma maratona; outra bem diferente é saber por que o fez.
...
A coragem surge de diversas formas. Hoje você descobre a coragem para continuar tentando, par anão desistir, por mais terríveis que as coisas se tornem. E elas se tornarão terríveis. Na marca do quilômetro 40, você quase não conseguirá ver mais o percurso, a visão se torna vaga e vacilante ao mesmo tempo em que a mente oscila nos limites da consciência.
...
Sua explosão ao cruzar a linha de chegada, cheio de orgulho, para sempre livre da prisão da insegurança e das limitações autoimpostas que o mantiveram prisioneiro.
Você aprendeu mais sobre si mesmo nos últimos 42 quilômetros do que em qualquer outro dia de sua vida. Mesmo que não consiga andar mais tarde, você nunca foi tão livre. Completar uma maratona é mais do que apenas algo que se ganha; um maratonista é alguém em quem você se transforma. Enquanto estiver sendo ajudado na linha de chegada, mal conseguindo levantar a cabeça, você está em paz. Nenhuma luta, dúvida ou fracassos futuros podem remover o que você realizou hoje. Você fez o que poucos farão - o que pensou jamais conseguir fazer, e é o despertar mais glorioso e inesquecível. Você é um maratonista e usará essa distinção não na lapela, mas no coração, para o resto da vida"

É sim, foi assim, com apenas 3 longões acima de 21 km eu vi minha mãe como presente de 50 anos ganhar uma distinção de maratonista no coração, e a medalha foi só para representar a força de uma mulher que saiu de muito longe para chegar onde chegou. Sempre lutou e não desiste de uma batalha quando o objetivo é realizar um grande sonho.

14 comentários:

elis disse...

parabéns!!!!

Katryny, que ultra aventura!
vocês arrasaram!
e que tempo super maravilhoso que sua mãe fez!
chegou chegando mesmo!

muito legal essa citação do Dean Karnazes!
diz tudo!
maratona é isso tudo!
e mais um outro tanto de emoção que não cabe em palavra nenhuma;)

parabéns, meninas!!!

bjs
http://elismc.blogspot.com

Sergio disse...

Katryny,
Que barato correr uma maratona com a própria mãe! Emoção demais. No seu relato nos sentimos em Paris com vocês.
Que seja a primeira de muitas,
Parabéns!
Sergio corredorfeliz

Anônimo disse...

Além de maratonista, futura ultra, minha filha realmente se tornou uma poetiza, com a incrível capacidade de emocionar a sua mãe. Quando penso que ela já me apresentou todas as proezas possíveis, eis que surge este texto em seu blog capaz de extrair mais algumas lágrimas de meus olhos. Sobre a Maratona da minha vida posso dizer que ela tem toda razão. Esse foi um sonho realizado, umas das façanhas mais difíceis que realizei, mas também uma das maiores emoções vividas. Katryny foi o estopim para eu começar esta atividade, mesmo tendo problemas cardíacos e dificuldades respiratórias, para impor cada um dos desafios que enfrentei: 16km com apenas 3 meses de treino, 18km com 6 meses de treino, Meia Maratona com 1 ano de iniciar a correr e a Marata da minha vida com apenas 1 ano e 9 meses. Sem ela, eu decididamente estaria apenas entre os torcedores pelo resto de minha vida. Mas, graças aos seus incentivos descomunais e até sobrenaturais(ela parecia um anjo ao meu lado), cheguei onde sempre me pareceu impossível: completar a Maratona de Paris em 4:37, com 50 anos de idade - a Maratona da Minha Vida! Tudo que vier daqui pra frente agora é lucro, graças a Deus e a essa menina que ainda não descobriu os seus limites de esforço físico. Obrigada minha linda por ser essa filha abençoada e abençoadora.
Marli Lourenço - Mãe da Futura Ultra Katryny

Joka disse...

PARABÉNS GUERREIRAS !!!!!AHUUUUUUUUUUUUUUUUU

Unknown disse...

Aeeeeee !!!!!
Orgulho que eu tenho dessas duas aí !!!
Amo vocês !!!

Beijos

Ricardo Hoffmann disse...

Que coisa mais linda!!! Chorei!! E o comentário da D. Marli, minha nossa!! Vão me matar!
Parabéns meninas guerreiras!! Traz a mamãe no RJ Katryny.

Katryny disse...

Elis querida,
saudades de você.
Obrigada pela torcida
beijão

Katryny disse...

Que bom que consegui passar isso por escrito Sérgio sempre fico preocupada :)...
Beijos e até breve

Katryny disse...

Vai Mamy's, não me faça chorar...
Você merece tudo pela guerreira que é!
Beijos

Katryny disse...

Valeu Grande Joka!

Katryny disse...

Amiga Unknown, agora sei quem vc é!!
Obrigada Táta, pelo apoio e pelo risco (de vida) de ter viajado conosco rs...
Muito bom ter você do meu ladinho sempre.
Love U
Beijos

Katryny disse...

Ricardo Querido,
como é bom ter vocês super laranjas como amigos, vocês são incomparáveis...
beijos

Julio Cordeiro disse...

Nem sei o que falar...
Só posso dizer que chorei demais...
Lindo relato, linda história

Katryny disse...

Obrigada Júlio.
Uma pena não ter encontrado vcs por lá.
Bjs

Postar um comentário